"Eu queria ter uma família, um pai e uma mãe. Se eu tiver uma família vai ser mais legal e divertido. Queria que eles me levassem no shopping."

"Queremos uma família melhor, que não nos maltratasse."

"Tenho duas irmãs que moram comigo, nosso sonho é sermos adotados os três juntos por uma família que cuidasse da gente e mostrasse o futuro."

"Minha mãe deixou eu e meu irmão mais velho na casa da minha tia e nunca mais voltou para nos buscar, aconteceram coisas terríveis com a gente."

Todas as frases acima são reais e foram escritas por crianças e adolescentes que esperam por uma família em abrigos de Porto Alegre. A convite de ZH, um grupo de acolhidos em instituições vinculadas à Fundação de Proteção Especial (FPE) e à Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) escreveu cartas para os pais que gostariam de ganhar.

Dos 1,5 mil acolhidos na Capital, 278 já estão aptos à adoção.

Clique e conheça quatro histórias, narradas por eles próprios.

"Nós nos damos muito bem e adoramos estudar"

"Minha mãe nos deixou na casa de uma tia e nunca mais voltou"

"Vai ser mais legal e divertido ter uma mãe e um pai"

"Queria uma família que fizesse o bem para a gente"

Como adotar

- Qualquer pessoa com mais de 18 anos, seja casada ou solteira, pode se candidatar à adoção no Juizado da Infância e Juventude de sua cidade ou comarca.

Além de preencher um formulário, os casais precisam apresentar os seguintes documentos:
- Cópias autenticadas de certidão de nascimento ou casamento, ou declaração de união estável
- Cópias da cédula de identidade e inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas
- Comprovante de renda e domicílio
- Atestados de sanidade física e mental (pode ser expedido por qualquer médico, independentemente da especialidade.
- Certidão Judicial Criminal negativa de 1° grau
- Certidão Judicial Cível negativa de 1° grau
- Uma foto dos pretendentes (individual ou casal)

* Depois de entregar a documentação, o casal será submetido a avaliações com psicólogo e assistente social e deve indicar o perfil da criança que pretende adotar (sexo, faixa etária, se aceita ou não irmãos e se aceita crianças com doenças).

* Mais informações pelo e-mail cijrs@tj.rs.gov.br e pelo site jij.tjrs.jus.br

Como doar

Uma outra forma de colaborar é fazer doações para crianças abrigadas. Segundo a Fundação de Proteção Especial, responsável por abrigos do Estado, os itens mais necessitados são:

- Material Escolar
- Material Esportivo
- Fraldas
- Livros

Interessados podem entrar em contato pelo telefone (51) 3254-7155.

VOLTAR AO TOPO