Polêmica nas artes

Veja manifestações sobre o encerramento da exposição "Queermuseu" no Santander Cultural

Mostra foi fechada na tarde do último domingo (10) após campanha em redes sociais alegar pedofilia, pornografia e blasfêmia

11/09/2017 - 09h13min | Atualizada em 11/09/2017 - 21h50min
Veja manifestações sobre o encerramento da exposição "Queermuseu" no Santander Cultural Tadeu Vilani/Agencia RBS
Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS  

Quase um mês depois de sua inauguração no Santander Cultural, prédio localizado no Centro Histórico de Porto Alegre, a exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, prevista para ficar em cartaz até o 8 de outubro, teve no sábado (9) seu último dia de visitação. Neste domingo (10), o Santander Cultural não abriu as portas e divulgou uma nota anunciando o seu cancelamento. Foi a reação da instituição ao movimento de protesto de entidades e pessoas que avaliaram a mostra como ofensiva, por razões que vão de "blasfêmia" no uso de símbolos católicos à difusão de "pedofilia" e "zoofilia" em alguns dos trabalhos expostos.

As reações contrárias à Queermuseu ganharam corpo nos últimos dias, com manifestações nas redes sociais de grupos como o Movimento Brasil Livre (MBL) e contrangimentos presenciais dirigidos aos visitantes. No sábado pela manhã, a página do MBL no Facebook reproduziu um texto publicado no site Jornal Livre com o título "Santander Cultural promove pornografia e até pedofilia com base na Lei de Incentivo à Cultura". Ao longo do final de semana, diferentes perfis de pessoas e entidade alinhadas ideologicamente ao MBL e a organizações religiosas, engrossaram o protesto virtual, que pediu o fechamento da mostra, rebaixou a nota de avaliação da página do Santander Cultural no Facebook e, até mesmo, pregou um boicote ao banco. 

Leia mais
"Não fui consultado sobre o cancelamento", diz curador da mostra "Queermuseu"
"Não entendo que isso seja arte", diz coordenadora do MBL/RS sobre a exposição "Queermuseu"
Entidades de promoção dos direitos LGBT anunciam ato em repúdio ao fechamento da mostra "Queermuseu"

A seguir, leia manifestações de artistas sobre o encerramento da exposição Queermuseu:

Mário Röhnelt, artista com obra em exibição:

"É lamentável que o Santander Cultural tenha tomado como solução, à menor levantada de tom do discurso conservador, a pior via possível: o cancelamento da mostra. Isto acarreta no desgaste da instituição, na dúvida gerada sobre as verdadeiras intenções do banco na produção de cultura. Os indivíduos têm o direito de verem o que quiserem. O Banco poderia avisar que a mostra pode conter material ofensivo a determinadas crenças e comportamentos. Mas fechar as portas, nunca. É dar o  braço à torcer para os histéricos de plantão. Por sinal, é bom lembrar que a mostra é linda! E de altíssimo nível. A montagem é ótima e eu não encontrei nenhum apelo às práticas da pedofilia e da zoofilia."

Sandro Ka, artista visual, que também participa da Queermuseu:

– É lamentável que essa onda conservadora motivada por posições equivocadas e ignorantes tenha forçado uma instituição cultural a tomar essa posição de fechamento de uma exposição que traz uma temática importante para se pensar no mundo hoje é nas relações de poder entre grupos hegemônicos e grupos vulneráveis. A heteronorma se afirma da pior forma possível. Todos e todas perdemos com isso.

Luciano Alabarse, secretário municipal da cultura

Por telefone, Alabarse disse estar esperando uma manifestação ampliada do banco para evitar "pôr mais gasolina no fogo", mas ressaltou:

– Eu sempre fui contra a censura e continuo.

Luiza Mell, apresentadora e ativista pela causa animal:  "Uma arte de péssimo gosto" 

Ana Norogrando, artista plástica, que participa da mostra: "Tempos tristes estamos vivendo - uma guinada à Idade Média!" 

Iran Giusti, criador do tumbrl "Criança Viada", que inspirou a obra da Bia Leite – acusada de pedofilia: "Como dizer que uma obra de arte que contém imagem de zoofilia é apologia?"

Rogério Nazari, artista que participa da exposição: "Que vergonha"

Ana de Hollanda, ex-ministra da cultura: "Estarrecedor!"

Letícia Lampert, artista visual: "Que moral de Cuecas! Que retrocesso!"

Em sua página no Twitter, o músico Roger Moreira publicou uma série de tweets criticando a mostra:

Danilo Gentilli, apresentador e comediante, também publicou uma série de tweets sobre a exposição:

David Ceccon, artista que trabalha com questões trans: 


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.