Entrevista

"O terrorismo não pode dar as ordens", diz o ator franco-britânico Finnegan Oldfield 

O ator falou com Zero Hora sobre o filme "Os Cowboys"

10/04/2017 - 08h00min | Atualizada em 10/04/2017 - 08h18min
"O terrorismo não pode dar as ordens", diz o ator franco-britânico Finnegan Oldfield  Divulgação/Divulgação
John C. Reilly (à direita) e Finnegan Oldfield (à esquerda) Foto: Divulgação / Divulgação  

Indicado ao prêmio César de melhor revelação masculina por Os Cowboys (2015), o ator franco-britânico Finnegan Oldfield interpreta no filme em cartaz na Capital um jovem que, ao lado do pai, empreende uma jornada de anos atrás da irmã mais velha, que saiu da França com um rapaz muçulmano radical para se juntar ao Estado Islâmico. Em cena, o artista de 26 anos destaca-se ao interpretar ao mesmo tempo com dureza e fragilidade o personagem Kid no longa do diretor Thomas Bidegain, que remete ao clássico faroeste Rastros de Ódio (1956), de John Ford. Oldfield veio ao Brasil no ano passado para divulgar o filme no Festival Varilux e falou com Zero Hora.

Como você interpreta ligação de Os Cowboys com o universo do western?

São evidentes as semelhanças com Rastros de Ódio, mesmo não sendo um remake e que o diretor não tenha pedido para eu rever esse filme em particular. Mas ele me mostrou outros filmes, como Cidade das Ilusões (de 1972), de John Huston, que não são faroestes, mas que falam da transmissão de ideias e cultura de uma pessoa para outra. É disso que fala Os Cowboys, mas utilizando o viés e os códigos do faroeste. Estão lá os grandes planos de montanhas e paisagens, por exemplo. Há uma cena em que fumamos com os talibãs como se fosse o cachimbo da paz.

Leia mais:
"Pitanga": documentário retrata um dos maiores atores do Brasil
"Aquarius" vence Festival de Cinema do Panamá

Como você vê a questão da convivência hoje na França com os imigrantes, sobretudo os de origem muçulmana?

No caso de Os Cowboys, o realizador fez o filme antes dos atentados do Charlie Hebdo (em 7 de janeiro de 2015) e de 13 de novembro de 2015. Mesmo assim, ele acaba sendo ainda mais atual hoje. Há diretores que fizeram filmes como Os Cowboys e que pagaram um preço por isso. Alguns, aliás, nem chegaram a ser lançados. Os Cowboys estreou dois dias depois dos atentados na França. Os produtores, inclusive, ficaram em dúvida se deveriam ou não estrear o filme. Mas eles decidiram ir adiante justamente para não deixar que o terrorismo desse as ordens no cinema. Concordo com o diretor quando ele diz que é preferível assistir a um filme como esse do que ficar vendo esses canais televisivos de notícias que ficam mostrando esse assunto sem parar. Temos que estar informados, é claro, mas os filmes têm outra maneira de falar sobre esses temas.

OS COWBOYS
De Thomas Bidegain

Drama, França, 2015, 105min.
Em cartaz no Guion Center.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.