Espetáculos

Projeto leva espetáculos de graça a diferentes zonas de Porto Alegre 

Teatro, dança e música estão na programação do Inclusão em Cena que se realiza desta segunda a domingo em 17 regiões da Capital

10/10/2016 - 06h03min | Atualizada em 10/10/2016 - 06h03min
Projeto leva espetáculos de graça a diferentes zonas de Porto Alegre  Lisa Roos/Divulgação
Espetáculo "A dama e o vagabundo em Paris" é uma das atrações do projeto Inclusão em Cena Foto: Lisa Roos / Divulgação

Com a proposta de levar espetáculos gratuitos de teatro, dança e música a locais afastados dos tradicionais espaços culturais de Porto Alegre, será realizado desta segunda a domingo o Inclusão em Cena. Abrangendo 17 regiões da Capital, o projeto conta também com oficinas e workshops. Esta é a primeira vez que a iniciativa da Secretaria de Estado da Cultura e do Instituto Estadual de Artes Cênicas (Ieacen), com patrocínio da Braskem, ocorre de forma independente do Porto Alegre Em Cena, festival apresentado em setembro.

– A ideia do Inclusão é um pouco do resgate do Descentralização, que a gente fazia dentro da grade do Porto Alegre Em Cena. Agora, o projeto ganha em protagonismo e visibilidade, o que reforça a iniciativa – explica Vika Schabbach, coordenadora de produção do Inclusão em Cena.

Veja também:
Festival Internacional de Teatro de Bonecos de Canela começa neste sábado
Em domingo ensolarado, milhares se reúnem para assistir à abertura da Festa Nacional da Música 2016

As apresentações serão, em sua maioria, de produções locais.

 Além de ser uma forma de ofertar esses espetáculos à população que nem sempre tem acesso à grade do Porto Alegre Em Cena, o Inclusão também é uma possibilidade de ampliar o mercado de trabalho para os artistas – diz a coordenadora.

No projeto, há várias atrações destinadas ao público infantojuvenil – como Puli-Pulá e A dama e o vagabundo em Paris.

– Tem uma abrangência de faixa etária muito maior do que a do Porto Alegre Em Cena. Como a gente traz muitos espetáculos para as escolas, não poderíamos ter somente montagens para adultos. A produção local tem muita coisa de teatro de rua e infantil. E nessas regiões descentralizadas o público que tu consegues atingir prioritariamente é de crianças e adolescentes. E a família acaba vindo junto – destaca Vika.

Apesar de maior parte dos espetáculos do Inclusão serem realizados em escolas, a coordenadora ressalta que o projeto é para o público em geral: 

– Em algumas regiões, as escolas são o único lugar de acesso para se levar um espetáculo. As atrações não são destinadas apenas aos alunos, mas a toda comunidade.

Onde ver os espetáculos de segunda-feira

PULI-PULÁ
Às 10h30, na Escola Afonso Guerreiro Lima (Rua Guaíba, 203 – Parada 11, Lomba do Pinheiro). O grupo Cerco apresenta seres brincantes que se encontram para pular corda.

CLARA E VIRA OU CADÊ O LIXO QUE TAVA AQUI?
Às 15h, na Escola Profº Anísio Teixeira (Rua Francisco Mattos Terres, 40, Zona Sul). Espetáculo infantil do grupo Estação sobre três crianças que compartilham um novo mundo encontrado.

ENFIM SÓS
Às 20h, no Anfiteatro Sol Nascente da Escola Emílio Meyer (Avenida Niterói, 472, Glória). Dois palhaços falam de amor e solidão. Na sequência, ocorre uma conversa sobre o processo de criação do espetáculo.

ORQUESTRA VILLA-LOBOS
Às 20h, no Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Avenida Independência, 75, Centro). Apresentação dos alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Heitor Villa-Lobos, localizada na Lomba do Pinheiro.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.