Disse não

Condenada, Monica Iozzi rejeita acordo e decide pagar indenização de R$ 30 mil a Gilmar Mendes

Atriz foi processada pelo ministro do STF por danos morais por causa de uma publicação no Instagram

13/07/2017 - 15h24min | Atualizada em 13/07/2017 - 17h30min
Condenada, Monica Iozzi rejeita acordo e decide pagar indenização de R$ 30 mil a Gilmar Mendes Montagem / Agência Brasil/TV Globo/Agência Brasil/TV Globo
Gilmar Mendes e Monica Iozzi Foto: Montagem / Agência Brasil/TV Globo / Agência Brasil/TV Globo  

A atriz Monica Iozzi revelou na última quarta-feira, no programa Conversa com Bial, que o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes chegou a lhe propor um acordo para reduzir o valor de sua indenização. Ela foi processada pelo ministro por danos morais e condenada a pagar R$ 30 mil

Mendes abriu a ação contra Monica por causa de uma publicação no Instagram, feita em maio do ano passado, na qual a atriz reproduziu a notícia de que o ministro concedeu habeas corpus ao médico Roger Abdelmassih, condenado por 58 estupros de pacientes, com a mensagem: "Se um ministro do Supremo Tribunal Federal faz isso... Nem sei o que esperar..." e uma frase em cima do rosto do ministro que diz "cúmplice?".

Leia mais
Atriz de "Maria do Bairro" vira motorista de Uber
Entrevista: Monica Iozzi fala de política, assédio e humor
VÍDEO: após condenação de Lula, Alexandre Frota grava suposta ligação para Wagner Moura

No programa, Monica disse que o ministro chegou a propor um acordo para que ela se retratasse por seus comentários no Facebook, o que ela rejeitou.

– Ele me propôs alguns acordos porque a repercussão foi muito negativa para ele. Queria que eu tirasse o post que eu fiz e fizesse um novo post de retratação. Me desculpando pelo o que eu tinha feito e doasse R$ 15 mil em cestas básicas para instituições de caridade de Brasília. Eu falei não. Não sou rica, R$ 38 mil não é nem de longe pouco dinheiro para mim, mas eu pensei: não falei nada de errado. Vendo o meu apartamento, mas não vou fazer um acordo com esse homem. Não é justo o que ele fez – relatou.

Monica comentou que fez a postagem depois da indignação contra a decisão de Mendes:

– O ministro deu um habeas corpus para o médico Roger Abdelmassih, condenado há mais ou menos 200 anos de prisão porque teve 40 estupros comprovados. Eu, como mulher, aquilo me indignou de uma tal maneira, e foi na mesma época que surgiram casos de estupros coletivos. Então, você vendo uma situação daquelas... Não me contive e fiz o post.

Repórter em Brasília

Durante a entrevista, que relembrou a infância e o início da carreira da atriz, Bial achou curioso o fato de ela fazer dois trabalhos seguidos "contracenando" com o diabo.

Tratam-se do seriado Vade Retro, com Tony Ramos interpretando Abel Zebu, e do filme A Comédia Divina, previsto para estrear em setembro, com Murilo Rosa no papel do diabo.

– Acho que os diretores pensam assim: "hum, ela trabalhou quatro anos em Brasília, fez bastante laboratório, viveu num ambiente diabólico por muito tempo" – brincou Monica.

Ao relembrar seu primeiro trabalho como repórter no CQC, depois de ser selecionada entre 28 mil candidatos, ela deu três dicas para o "manual de sobrevivência na capital federal".

– Respire pela boca. Os corredores do Congresso são de carpete, não tem ar condicionado, é aquela temperatura – começou.

Em seguida, ela contou sobre as dificuldades de ser mulher naquele local.

– Saiba lidar com as cantadas pesadas, que podem te ofender e machucar – disse. – Eles (políticos e assessores) usam o assédio sexual como assédio moral. Não é porque ele está a fim de você, mas ele tenta te diminuir, te pôr no lugar de objeto, então você tem de se colocar muito – declarou Monica.

Por fim, a atriz disse que é preciso estudar muito para ser repórter em Brasília. 

– A gente tem mania de falar que todo político é corrupto,  e a maioria é , mas tem muita gente boa que se esforça lá dentro – afirmou.

Carreira de atriz

Monica Iozzi disse que, desde a infância, quis ser atriz e contou alguns trabalhos que fez na escola e ao se formar em Artes Cênicas.

– Mas minha carreira nunca foi pelo caminho que eu acreditava – contou ao relembrar da seleção para o CQC e, depois, como apresentadora do Vídeo Show.

Sobre atuar ao lado de Tony Ramos, ela elogiou os mais de 50 anos de carreira do ator, que a ajudou durante as gravações de Vade Retro:

– Tony é muito acima da média. Quando vi que ia contracenar com ele, fiquei muito nervosa, mas ele me abraçou desde o início e dava apontamentos muito precisos.

* Com informações de Estadão Conteúdo


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.