Deu ruim

Tiririca é condenado pela Justiça a pagar indenização por fazer paródia de canção de Roberto Carlos

No horário eleitoral daquele ano 2014, o candidato à reeleição fez uma imitação do cantor e fez uma versão da música "O Portão"

13/07/2017 - 13h03min | Atualizada em 13/07/2017 - 17h32min
Tiririca é condenado pela Justiça a pagar indenização por fazer paródia de canção de Roberto Carlos Reprodução/Youtube
Foto: Reprodução / Youtube  

O comediante e deputado federal Tiririca (PR-SP) foi condenado pela 20ª Câmara Extraordinária de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) a pagar indenização por ter usado uma versão da música O Portão, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, na campanha eleitoral de 2014.  O acórdão foi publicado na última segunda-feira (10).

No horário eleitoral daquele ano, o candidato à reeleição fez uma imitação de Roberto Carlos, com alusões à propaganda que o cantor fez de uma empresa frigorífica. Em vez de "Eu voltei/ Agora pra ficar/ Porque aqui é o meu lugar", Tiririca cantava "Eu votei/ de novo eu vou votar/ Tiririca, Brasília é o seu lugar". No vídeo, o deputado também comia um bife, ironizando o comercial da marca Friboi-JBS, protagonizado pelo cantor

Leia mais
Roberto Carlos vai à Justiça contra a JBS, da Friboi
Silvio Santos, Hebe e Caetano Veloso: histórias das biografias não autorizadas que geram curiosidade nos fãs

A EMI Songs, responsável pelos direitos autorais, moveu ação na Justiça e obteve sentença favorável em 2015. Tiririca e o PR recorreram, mas o TJ-SP manteve o entendimento e ampliou o valor da indenização. Após a primeira sentença, o deputado e seu partido deveriam pagar o valor original pelo uso dos direitos da canção. Agora, quantia deve ser multiplicada por 20, com correções.

Na decisão, os desembargadores Salles Rossi, James Siano e Moreira Viegas consideraram que a propaganda não usava a canção para fins humorísticos ou culturais – nesses casos, Tiririca seria dispensado do pagamento os direitos autorais. Segundo eles, o vídeo tinha a finalidade exclusiva de angariar votos.

"(A composição) teve sua letra e melodia amplamente conhecidas alteradas, distorcidas, com o nítido propósito de angariar vantagem ao então candidato em sua propaganda eleitoral", diz o acórdão assinado pelos desembargadores.

Para Roberto Vita Porto, advogado de Tiririca, o então candidato e seu partido não precisariam pedir autorização prévia para a EMI Songs ou pagar pelo uso do material. 

– É uma paródia. O fato de ser uma propaganda eleitoral não muda isso. O importante é que não foi utilizada a letra da música – alegou. 

Segundo informações da BBC Brasil, Vita Porto garante que vai recorrer da decisão ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.