Violência doméstica

"Eu estava sempre com o olho inchado, machucada", diz Palmirinha sobre relação com o ex-marido

Apresentadora de TV falou sobre sua história de vida em entrevista para a VEJA

09/08/2017 - 17h51min | Atualizada em 11/08/2017 - 07h41min
"Eu estava sempre com o olho inchado, machucada", diz Palmirinha sobre relação com o ex-marido divulgação/bem simples
Foto: divulgação / bem simples  

Fora do ar desde 2015, Palmirinha despontou nos últimos anos como uma das pessoas mais carismáticas da televisão brasileira. Hoje com 86 anos, trabalhou por quatro ao lado de Ana Maria Braga, na Record, e por 10 na TV Gazeta, antes de assinar, entre 2012 e 2015, com o canal pago Bem Simples.

Apesar da irreverência e do bom humor enquanto prepara suas receitas diante das câmeras, a história de vida de Palmirinha reserva capítulos bem tristes. Em entrevista publicada nesta quarta-feira (9) pela revista VEJA, ela falou sobre sua infância e sobre os problemas com o marido, pai de suas três filhas. Criada desde os seis anos por uma francesa – seus pais não tinham condições de lhe oferecer os cuidados que consideravam adequados –, Palmirinha se emocionou ao falar não ter tido infância nem adolescência. 

Leia também
Padre Fábio de Melo fala sobre síndrome do pânico: "Estou vivendo um período difícil"
Pabllo Vittar no "Encontro": "Se eu tivesse um nome feminino, não ia passar tanta verdade"

– Eu não podia brincar, ter uma infância como todo mundo teve. Por isso, quando vejo os jovens que me abraçam e me chamam de vovó Palmirinha, sinto que eles vivem aquilo que eu nunca vivi, então brinco, dou selinho. Quando eu tinha de 13 para 14 anos, meu pai faleceu e eu fui para Bauru para o velório. Eu ia voltar para São Paulo, mas não consegui porque precisei ajudar minha mãe em casa – declarou.

Sobre o casamento, disse ter sido agredida e dado um basta após 20 anos de relação. Se manteve firme com medo que as filhas não fossem ter um bom casamento e preocupada com o preconceito contra mulheres separadas. 

– Batia, sim. Eu estava sempre com o olho inchado, machucada, com roxos pelo corpo. Naquela época, tinha o Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização) e eu me matriculei para tentar terminar os estudos. Eu trabalhava durante o dia e estudava à noite. Quando eu chegava em casa, ele achava que eu estava em outro lugar e era aquele auê.

 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.