Desacelerando com Trevisan

Poeta e crítico de arte Armindo Trevisan apresenta 22 ensaios sobre estética e literatura 

"A dança do sozinho" terá sessão de autógrafos nesta quarta, na CCMQ

Por: Rafael Balsemão
18/10/2016 - 19h43min | Atualizada em 18/10/2016 - 19h43min
Poeta e crítico de arte Armindo Trevisan apresenta 22 ensaios sobre estética e literatura  Andréa Graiz/Agencia RBS
¿Comecemos por sentir algo, depois aprenderemos a sentir com sutileza¿, propõe Trevisan Foto: Andréa Graiz / Agencia RBS

O poeta e crítico de arte Armindo Trevisan faz uma proposta aos seus leitores: que se entreguem aos devaneios. É com esse espírito que o escritor de 83 anos realiza hoje, na Arte-Loja, na Casa de Cultura Mario Quintana, o pré-lançamento de A dança do sozinho, coletânea de 22 ensaios divididos em estudos sobre estética e literatura. Trata-se de textos elaborados ao longo de seu trabalho como professor no Instituto de Artes e na Faculdade de Arquitetura da UFRGS.

– A nossa vida, devido às pressões socioeconômicas, ganhou um nível de exigência que não existia antes. A gente é obrigado a multiplicar tarefas para poder atender às necessidades que nós consideramos básicas – afirma o autor.

Leia mais:
Após Nobel, livros de Bob Dylan serão relançados no Brasil
Exposição celebra o escritor Simões Lopes Neto no centenário de morte
"Todos querem ser Mujica" reúne 60 crônicas escritas por Moisés Mendes

Trevisan defende, em contraponto à velocidade em que vivemos devido aos avanços tecnológicos, que façamos ¿uma espécie de dieta mental e sensorial de purificação¿. Ele explica:

– Da mesma forma que nós temos uma obesidade por comermos demais, também estamos alimentados, do ponto de vista estético, excessivamente.

Na dieta intelectual sugerida pelo escritor, que é natural de Santa Maria e já foi patrono da Feira do Livro de Porto Alegre (e é conhecido por livros como Adega imaginária e Como apreciar a arte, entre outros), estariam desacelerar, abrir mão de preconceitos no que diz respeito à estética e, acima de tudo, fazer um esforço para ¿sentir mais a arte¿:

– Quando a gente vê alguma coisa, a gente vê, mesmo que com algum defeito. Devemos valorizar a sensibilidade concreta. Comecemos por sentir algo, depois aprenderemos a sentir com mais sutileza.

Aprendizado pelo qual também passou Trevisan e que pode ser assimilado pela leitura do ensaio Minhas dívidas literárias, em que discorre sobre os encontros com escritores como Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Cecília Meireles, Murilo Mendes, Mario Quintana e Erico Verissimo. 

– O que eu devo ao Erico, em termos de vida literária, é incrível. Tanta coisa aprendi com ele, até corrigindo a minha petulância – confessa o escritor, para quem o autor de O tempo e o vento foi um dos grandes responsáveis por despertar seu gosto pelo romance.

A DANÇA DO SOZINHO E OUTROS ENSAIOS DE ESTÉTICA E LITERATURA
De Armindo Trevisan
Ensaios, Editora Pradense, 258 páginas, R$ 40.
Lançamento hoje, às 17h, na Arte-Loja da Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736, térreo). Nova sessão de autógrafos em 6/11, às 16h, na Feira do Livro da Capital (no mesmo dia, às 14h30min, o autor realiza conferência no Santander Cultural).



 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.