Saudade tem fim

Banda Pata de Elefante volta a se reunir após três anos e meio 

Durante duas noites no Ocidente, Gabriel Guedes, Daniel Mossmann e Gustavo "Prego" Telles mostram por que se tornaram uma referência da música instrumental brasileira

18/10/2016 - 20h25min | Atualizada em 18/10/2016 - 20h31min
Banda Pata de Elefante volta a se reunir após três anos e meio  Lauro Alves/Agencia RBS
Gustavo Telles, Gabriel Guedes e Daniel Mossmann Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

É hora de tirar o luto. Três anos e meio depois de anunciar o fim de suas atividades e deixar uma multidão de viúvas, o trio Pata de Elefante está de volta. Durante duas noites no Ocidente, nesta quinta-feira e no próximo dia 27, Gabriel Guedes, Daniel Mossmann e Gustavo "Prego" Telles voltam a mostrar por que se tornaram uma referência da música instrumental brasileira.

Para quem está chegando agora neste grande palco chamado vida, um pouco de contextualização talvez se faça necessária. A Pata de Elefante, com Prego na bateria e Gabriel e Daniel revezando baixo e guitarra, foi uma das primeiras bandas a romper o nicho da música instrumental e levá-lo para o mainstream. Até aquele início dos anos 2000, para o grande público, música sem vocal era música de elevador.

Leia mais:
De "Dona" a "Lua de cristal": compositores falam sobre processo criativo na Festa Nacional da Música
Em festival de música, Mick Jagger compara Bob Dylan com poeta americano Walt Whitman
Paula Fernandes deixa Andrea Bocelli cantando sozinho em show em São Paulo

Não que tenha sido muito difícil para eles. Com o primeiro disco, homônimo, lançado em 2004, levaram o Prêmio Açorianos de Música na categoria artista revelação. Logo estavam excursionando por todo o Brasil, tocando em festivais como o Goiânia Noise e o Abril Pro Rock. Os dois trabalhos seguintes renderam mais prêmios, ambos na categoria música instrumental: Um olho no fósforo, outro na fagulha (2007) venceu o Video Music Brasil da MTV, enquanto Na cidade (2010) faturou mais um Açorianos.

A ascensão da Pata jogou luz sobre toda uma cena de rock instrumental brasileiro, gente do calibre da Hurtmold (São Paulo), da Macaco Bong (Cuiabá) e da Retrofoguetes (Salvador). Em Porto Alegre, ajudou a incentivar uma turma que hoje caminha com as próprias pernas, como Quarto Sensorial, Urso e Marmota Jazz.

Mas, em 2013, depois de 11 anos de atividades ininterruptas e prestes a lançar o quarto disco, a inevitável fadiga dos materiais determinou o fim da Pata. O álbum Julio Rizzo e Pata de Elefante chegaria ao mercado quase um ano depois, quando os integrantes já haviam tomado outros rumos: Prego engatara carreira solo (que vinha se desenhando antes do término do grupo), Gabriel fixou base em São Paulo para tocar projetos individuais e Daniel estava firme nos Acústicos & Valvulados.

Confira trecho do ensaio do trio:

Até que em março deste ano, em um show do parceiro Luciano Leães, meio que por obra do acaso, o trio acabou novamente reunido. Na ocasião, Prego, Daniel e Gabriel executaram Dr. João vai à praia (do disco Julio Rizzo...) e Um olho no fósforo, outro na fagulha (do álbum homônimo). Foi o suficiente para que o produtor e amigo Márcio Ventura, o Rei Magro, propusesse esses dois shows.

– A ideia bateu legal, porque a gente já tinha se acertado pessoalmente antes daquele show, e a conexão no palco havia sido imediata, do tipo um olhar para o outro e sair tocando – explica Prego.

Gabriel é sintético sobre os ensaios, que estão rolando durante esta semana:

– É como andar de bicicleta.

Para os dois espetáculos, a Pata escolheu um set list que revisita seus três primeiros discos e privilegia o formato original de power trio. Portanto, não será desta vez que as canções de Julio Rizzo e Pata de Elefante, gravado como sexteto, serão ouvidas ao vivo pelos fãs.

– Não que a gente descarte essa possibilidade no futuro. Eu sou bem a fim, inclusive – comenta Prego.

De certo, por enquanto, é que a Pata não irá gravar nada novo. Além dos shows no Ocidente, o dia 2 de dezembro está reservado para uma apresentação do grupo no Morrostock, em Santa Maria. Mas, até lá, pela empolgação do trio com a reunião, tudo pode acontecer. Como diz o título da última música do último disco: parece que foi ontem.

PATA DE ELEFANTE
Nesta quinta e no dia 27 de outubro, às 23h (com abertura da casa às 21h).
Ocidente (João Telles esquina com Osvaldo Aranha), em Porto Alegre.
Ingressos: R$ 50, à venda na Lancheria do Parque (Osvaldo Aranha, 1.086), na loja Back in Black (Shopping Total), na Toca do Disco (Garibaldi,1.043), na loja Sirius (República, 304) e no bar Ocidente (a partir das 21h).

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.