Estradeiro

Em show intimista, Luiz Marenco promove noite milongueira no Theatro São Pedro

Acompanhado do violonista Gabriel Selvage, cantor interpretou canções que marcaram sua trajetória

12/03/2017 - 00h52min | Atualizada em 12/03/2017 - 01h00min
Em show intimista, Luiz Marenco promove noite milongueira no Theatro São Pedro Omar Freitas/Agencia RBS
Luiz Marenco no Theatro São Pedro Foto: Omar Freitas / Agencia RBS  

Foi a noite que o Theatro São Pedro virou CTG: boa parte do público que lotou a casa foi pilchada – bombacha, lenço, chapéu e bota – assistir ao show Pra o Meu Consumo, de Luiz Marenco, no último sábado. Acompanhado do virtuoso violonista Gabriel Selvage, o cantor tradicionalista levou o folclore do Estado ao palco do teatro.

Em uma apresentação intimista – voz, violão e alguns assobios –, Marenco cantou milongas que marcaram sua trajetória, abrindo o show com a música que dá nome ao show e a um disco, Pra o Meu Consumo, em uma interpretação à capela. No repertório, houve espaço para composições de Noel Guarany (Gaudério) e Jayme Caetano Braun (A Moda Martin Ferro), além de suas canções feitas em parceria com Sergio Carvalho Pereira – como Gaúcho, Sul e Estrelas de Chão. Ressábios contou com a participação do cantor nativista Marcelo Oliveira.

Leia mais
Barba, cabelo e bigode com Luiz Marenco
Em 1999, a Tchê Music ensaiou dominar o país. O que deu errado?
O metal gaúcho em casos, histórias e lembranças de seus participantes

Mas um dos momentos mais românticos da noite ficou reservado para Estradeiro, faixa do disco Querência, Tempo e Ausência (2006), que é a única letra que Marenco escreveu em sua carreira. A canção é dedicada a sua esposa Marlize, que não pode ir no show – ela é enfermeira e estava de plantão. Como era a primeira vez que interpretaria a música ao vivo, o cantor não queria deixar sua mulher de fora: ligou do celular para ela, que ouviu a apresentação inédita de Estradeiro à distância.

Gabriel Selvage Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Marenco encerrou o programa do show com Meus Amores, acompanhado do coro da plateia. Mas não foi o suficiente: o público pediu mais. 

–Ninguém trabalha amanhã? Estão todos com a vida ganha – brincou o músico, que ainda emendou: – Daqui a pouco vai passar alguém aqui servindo café com bolo frito... 

No bis, foi o momento da plateia ecoar o grito sapucai pelo Theatro São Pedro em uma catarse gaudéria com a dobradinha Batendo Água e Cantador de Campanha, encerrando o show e dando uma amostra de por que Luiz Marenco é um dos nomes mais populares da música regionalista gaúcha.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.