Angela e o Rei

Angela Maria lança disco com 10 canções de Roberto e Erasmo Carlos

Álbum foi produzido por Thiago Marques Luiz e teve arranjos de Rovilson Pascoal e Billy Magno

10/07/2017 - 15h00min | Atualizada em 10/07/2017 - 17h11min
Angela Maria lança disco com 10 canções de Roberto e Erasmo Carlos Murilo Alvesso/Divulgação
Novo disco de Angela Maria tem participações de Erasmo Carlos e Cauby Peixoto Foto: Murilo Alvesso / Divulgação  

Dois ídolos da canção popular brasileira – para milhões de fãs de muitas gerações, os maiores – encontram-se no disco Angela Maria e as Canções de Roberto & Erasmo. Reverenciada por colegas como Elis Regina, Gal Costa, Maria Bethânia e Elza Soares, a cantora selecionou em seu novo álbum 10 composições do Rei com seu grande parceiro Erasmo Carlos. Produzido com elegância por Thiago Marques Luiz e com arranjos de Rovilson Pascoal e Billy Magno que modernizam os temas sem descaracterizar a dramaticidade da intérprete nem o romantismo do repertório, o novo trabalho da Sapoti assume um lugar de honra na carreira de quase sete décadas da artista fluminense – que começou cantando em coros de igrejas, fez escola nos dancings cariocas e conquistou o Brasil a partir das ondas do rádio.

– Conheci o Roberto nos corredores das rádios, no tempo em que a gente tinha que trabalhar as músicas na mídia. Lembro que na época ele estava divulgando As Curvas da Estrada de Santos, no final dos anos 1960. Foi o empresário Manoel Poladian quem deu a ideia de eu gravar um disco só com músicas do Roberto e do Erasmo. Fui então a um show dele e depois o procurei no camarim para pedir autorização, porque Roberto não deixa qualquer um gravar. Ele liberou todas as músicas e ainda disse: "Qual compositor que não gostaria de ter uma música gravada por você?" – contou Angela em entrevista a Zero Hora por telefone, falando de sua casa em São Paulo, acrescentando orgulhosa que recebeu carta branca para registrar até os proibidões do Rei: – Detalhes é uma música que ele não gosta que ninguém mais cante. Mas ele disse que eu poderia gravá-la.

Leia também
Valéria Houston lança campanha de financiamento coletivo para gravação de disco
Coldplay, Green Day e mais: saiba quanto você vai gastar com os shows que virão a Porto Alegre

Angela, no entanto, preferiu não cantar Detalhes, elegendo ao lado de seu produtor uma dezena de canções de amor compostas pela dupla Roberto e Erasmo nas décadas de 1960 e 1970.

– Preferi as canções que o Roberto não canta há muito tempo – explicou a cantora.

O CD abre manso com Você em Minha Vida (1976), em que se destaca o violoncelo de Jonas Moncaio, ao lado do violão de Pascoal e do piano de Magno. Em Sua Estupidez (1969), escolha pouco óbvia da veterana Sapoti, a guitarra de levada blues e os metais que remetem ao clima soul da gravação original emprestam um suingue maroto à interpretação da diva.

Sentado à Beira do Caminho (1969) retoma um dueto do passado: em 1970, Angela e Erasmo Carlos fizeram um show de nome inusitado, A Melhor e o Pior, anunciado como "o maior quebra-pau musical do ano".

– Como já tinha gravado com Roberto, tinha que gravar agora com Erasmo – justificou a vocalista, lembrando que, em seu disco Amigos (1996), dividiu os vocais com RC em Desabafo, música que volta agora no novo álbum em um arranjo de cordas mais intimista.

Distante dos trinados do passado, Angela tira partido, aos 88 anos, das áreas graves de seu registro de mezzo-soprano, adequado para a intensidade do cancioneiro escolhido. A característica lágrima na voz da cantora cai sob medida na trinca Não se Esqueça de Mim (1977), Despedida (1974) e Eu Disse Adeus (1969). Opção à primeira vista também insuspeitada, Jovens Tardes de Domingo (1977) descola-se da saudade jovem-guardista para evocar outro tipo de nostalgia quando Angela canta lembrando que antigamente as "canções usavam formas simples pra falar de amor".

Antecipando o final, O Show Já Terminou (1973) antecede a derradeira Como É Grande o Meu Amor por Você (1967) em duo póstumo com Cauby Peixoto (1931 – 2016), retirado de uma gravação para o disco Reencontro (2013), o terceiro a reunir os dois ícones da era do rádio.

O take da voz do cantor é diferente do usado anteriormente, ganhando um arranjo inédito.

– O Cauby faz falta. Principalmente quando estou no palco, sinto falta dele sentado ao meu lado. Cauby é uma coisa que jamais vai acontecer de novo na minha vida, foram 65 anos de amizade. Toda a plateia se emocionou no show que fiz agora em São Paulo quando o Cauby apareceu no telão cantando Como É Grande o Meu Amor por Você. Uma choradeira total, de arrepiar.

ANGELA MARIA E AS CANÇÕES DE ROBERTO CARLOS
Biscoito Fino, 10 faixas
R$ 29,90.
Cotação: muito bom

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.