Tradição

Paixão Côrtes: "O que importa é que as novas gerações estão dando continuidade aos nossos valores"

Prestes a completar 90 anos, folclorista concedeu entrevista à RBS TV antes de fazer pausa na vida pública 

08/07/2017 - 12h48min | Atualizada em 08/07/2017 - 12h49min
Paixão Côrtes: "O que importa é que as novas gerações estão dando continuidade aos nossos valores" Rosana Orlandi/Divulgação
Paixão Côrtes recebeu a RBS TV em sua casa Foto: Rosana Orlandi / Divulgação  

Será discreta a festa de aniversário de Paixão Côrtes nesta quarta-feira. O folclorista, que completará 90 anos, decidiu dar uma pausa indeterminada na vida pública, a fim de fortalecer sua saúde. 

Antes dessa virada, no entanto, recebeu em sua casa as equipes do Jornal do Almoço e do Galpão Crioulo, da RBS TV. No noticiário, que foi ao ar neste sábado, Paixão avaliou sua trajetória como pesquisador e divulgador dos costumes e da cultura gaúcha:

Leia mais:
Paixão Côrtes: ¿Meu objetivo foi preservar o aspecto cultural¿
Jovens tradicionalistas questionam regras para manter viva a cultura gaúcha
Gaúcho da Fronteira completa 70 anos: conheça a trajetória do músico

– É uma alegria ver que uma ideia que nasceu há 70 anos cresceu, multiplicou-se, deixou de ser um pensamento para ser uma ação humana. Existem 4 mil entidades espalhadas pelo mundo inteiro divulgando nossas virtudes, nossas histórias e nossas peculiaridades. A ideia fecundou, e as novas gerações saberão torná-la mais importante ainda. 

O folclorista iniciou suas pesquisas junto com Barbosa Lessa (1929 _ 2012) ainda no final da década de 1940, viajando pelo interior do Estado para documentar danças e hábitos do homem do campo.

– Os analfabetos têm uma contribuição preciosa na informação do seu passado e do seu viver, que hoje fazem parte da cultura e da educação das universidades e dos grandes acontecimentos nacionais – avalia Paixão.

Há 70 anos, o folclorista foi um dos fundadores do 35 Centro de Tradições Gaúchas, o primeiro Centro de Tradições Gaúchas (CTG).

– O que importa para mim é saber que as novas gerações estão dando continuidade aos valores de seus antepassados – afirma. 

Paixão também falou sobre estátua do Laçador, cartão-postal para o qual serviu de modelo em 1954.

– A obra é do Antonio Caringi, esse grande escultor, que merece todo o nosso aplauso. Como artista rio-grandense e internacional, levou o gaúcho ao cenário universal como símbolo de uma terra. Não é fácil. Tive a felicidade de conhecê-lo, de posar a ele com minhas roupas autênticas e com meu laço, elementos da minha vida campeira em Santana do Livramento, onde nasci.

Paixão Côrtes apaga as velas de seu bolo de 90 anos no Galpão Crioulo, que irá ao ar neste domingo Foto: Rosana Orlandi / Divulgação

Galpão Crioulo

Neste domingo, a edição inteira do programa Galpão Crioulo é dedicada a Paixão Côrtes. O programa recupera imagens de arquivo do homenageado e apresenta danças por ele documentadas jamais exibidas na televisão. As performances são do CTG Brazão do Rio Grande, que também segue à risca a indumentária documentada por Paixão.

CTG Barão do Rio Grande em dança no Galpão Crioulo Foto: Felipe Goldenberg / Divulgação
 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.