Nesta sexta

"Titanic" , de James Cameron, volta a cartaz em 3D na véspera do centenário da tragédia

15 anos após estrear, o filme continua como o célebre transatlântico: longo, grandioso, pretensioso e inesquecível

12/04/2012 | 17h06
"Titanic" , de James Cameron, volta a cartaz em 3D na véspera do centenário da tragédia divulgação/divulgação
Cena do aclamado filme Foto: divulgação / divulgação

Neste sábado, o naufrágio mais famoso da história completa cem anos. Pegando carona na efeméride, Titanic (1997) está de volta aos cinemas – agora em 3D. Mas não espere que o gelo do iceberg caia no seu colo ou que a proa do navio saia da tela – os efeitos acrescentados agora não conseguem dar ao filme a tridimensionalidade alardeada.

Sim, a música cantada por Céline Dion segue insuportável, e as sobrancelhas de Billy Zane ficam ainda mais delineadas em 3D. Mas o que importa é que, 15 anos após estrear, o filme dirigido por James Cameron continua como o célebre transatlântico: longo, grandioso, pretensioso e inesquecível.

A superprodução do mesmo realizador de Avatar (2009) custou na época cerca de US$ 200 milhões, o longa mais caro até então já rodado, e bateu o recorde histórico de arrecadação, com faturamento de US$ 1,8 bilhão – superado depois apenas por Avatar, com US$ 2,7 bilhão. Recordista de Oscar – com 11 estatuetas, ao lado de Ben-Hur e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei –, Titanic levou os prêmios de melhor filme e diretor. O retorno em 3D ainda não fez estardalhaço – ficou em terceiro lugar no primeiro final de semana nos EUA, com US$ 17,3 milhões.

Rodado em convencionais duas dimensões, Titanic levou sete anos para ser convertido para 3D. O resultado, como de praxe, é pífio: a gambiarra tecnológica não provoca o mesmo efeito ótico que as cenas rodadas originalmente em terceira dimensão, destacando-se em poucas sequências durante as 3h14min de projeção – sem esquecer que esse tipo de transformação costuma causar uma perda de luminosidade na imagem. No caso de Titanic, porém, essa recauchutagem oportunista, cujo objetivo é cobrar ingressos mais caros, não afeta a qualidade e a conveniência desse relançamento: uma obra maiúscula como essa merece ser (re)vista na tela grande.

Desde que o RMS Titanic bateu em um iceberg e foi a pique em sua viagem inaugural, na madrugada de 14 para 15 de abril de 1912, o fracasso desse prodígio da engenharia náutica fascina gerações – prato cheio para metáforas e interpretações que vão do colapso do Império Britânico à denúncia da arrogância humana, da debacle da Belle Époque às vésperas da I Guerra ao iminente desmoronamento da sociedade burguesa de classes estratificadas.

O acerto de Titanic, o filme, é abarcar todas as leituras correntes desse episódio histórico traumático, utilizando-as como pano de fundo para um comovente triângulo amoroso fictício que se desenrola a bordo do navio.

Durante as primeiras duas horas de Titanic, desenha-se o romance entre o pé-rapado Jack Dawson (Leonardo DiCaprio), passageiro da terceira classe, e a pobre menina rica Rose DeWitt Bukater (Kate Winslet), noiva a contragosto do prepotente milionário Caledon Hockley (Billy Zane). O clímax dura mais de uma hora, com os personagens – fictícios e reais – lutando para sobreviver enquanto o "inafundável" transatlântico submerge nas gélidas águas do norte do Atlântico.

Para quem assiste a Titanic pela primeira vez, a trama de amor impossível escrita por Cameron deve encantar ao encenar uma espécie de Romeu e Julieta em alto-mar, em que os amantes enfrentam obstáculos, digamos, titânicos. Já quem revisita o filme vai se surpreender não apenas com a qualidade e a eficiência dos efeitos especiais – uma produção pode envelhecer muito mal nesse aspecto em 15 anos –, mas também em como a história não perdeu seu vigor dramático. Mais: a paixão entre Jack e Rose mantém o mesmo frescor juvenil e continua envolvendo o público com seu ímpeto.

Em 2D ou 3D, em 1997 ou 2012 – pouco importa: James Cameron fez cinemão clássico do bom em Titanic, que permanece atual em qualquer época ou dimensão.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.