Sacha e Sacha

Espetáculo paranaense "Oxigênio" combina teatro e rock

Peça da Companhia Brasileira de Teatro, de Curitiba, faz apresentação única nesta sexta-feira (11/05) na Capital

11/05/2012 | 10h15
Espetáculo paranaense "Oxigênio" combina teatro e rock Elenize Dezgeniski/Divulgação
Rodrigo Bolzan está no elenco da peça, que também conta com Patrícia Kamis Foto: Elenize Dezgeniski / Divulgação

Começa assim: Sacha, um homem do interior da Rússia, é condenado por matar sua mulher para ficar com a amante, que também atende por Sacha. Ele não tem remorso. Como dois pulmões, Sacha e Sacha não podem ficar separados.

A história da peça que será apresentada apenas nesta sexta-feira (11/05), às 21h, no Teatro Renascença, na Capital, é encenada por dois atores — Patrícia Kamis e Rodrigo Bolzan — que talvez interpretem os personagens e talvez apenas narrem a história. Esse jogo de incerteza sobre os papéis explica, pelo menos em parte, o interessante trabalho da Companhia Brasileira de Teatro, de Curitiba, sobre o texto (inédito no Brasil) do dramaturgo russo contemporâneo Ivan Viripaev. O espetáculo está na programação do 7º Festival Palco Giratório Sesc/POA.

Dividida em cenas baseadas nos mandamentos bíblicos, a peça trata de temas complexos (relacionamentos, ética, política, religião, o destino da humanidade e por aí vai) com sarcasmo, mas sem cinismo. Aos mandamentos correspondem dez composições: em diversos trechos, o casal de atores se junta a um músico (Miro Dottori, no caso da sessão na Capital) para formar uma banda — uma sacada do grupo que não está no texto original. A banda se desfaz, e o diálogo continua. As performances de Patrícia e Bolzan são um verdadeiro embate de ideias.

— O trabalho que venho buscando nos últimos anos tem a ver com a expansão de sentidos. As peças, em geral, são polissêmicas — diz, por telefone, Marcio Abreu, diretor do espetáculo. — O campo da arte é também o daquilo que não conhecemos na vida ordinária. Não é absolutamente o campo da reprodução da realidade.

Com 13 anos de atividade, a Companhia Brasileira de Teatro é hoje uma das mais destacadas do país por sua pesquisa de linguagem. O público gaúcho, no entanto, não teve muitas oportunidades de assistir a suas produções, mesmo que a sede do grupo seja no Estado vizinho do Paraná. Foi lá que Oxigênio estreou, em dezembro de 2010. O título — repleto de possibilidades de leitura — evoca o que é indispensável, essencial na vida. Não há, como se pode imaginar, uma resposta única.

— Vivemos em um mundo utilitarista. As coisas são valorizadas na medida em que servem para algo no sentido imediatista. Não penso a arte dessa maneira. É evidente que uma peça tem a possibilidade de instaurar alguma coisa, de marcar um lugar no mundo, de tocar as pessoas de alguma maneira. Mas a arte é uma contracorrente a esse pensamento utilitarista — defende o diretor.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.