O retorno de Ulisses

Peça "Depois do Filme" tem sessões na Capital neste fim de seana

Confira entrevista com o diretor e ator Aderbal Freire-Filho

03/05/2012 | 06h08
Peça "Depois do Filme" tem sessões na Capital neste fim de seana 7º Festival Palco Giratório/Divulgação
"Às vezes, entre mais jovens, há um teatro velho, e entre os velhos, um teatro jovem", diz Freire-Filho Foto: 7º Festival Palco Giratório / Divulgação

Diretor de relevância no cenário nacional desde os anos 1970, o cearense radicado no Rio Aderbal Freire-Filho, que completará 71 anos na terça-feira, trará, ao 7º Festival Palco Giratório Sesc, na Capital, a peça Depois do Filme.

Escrita, dirigida e estrelada por ele (que volta a atuar no teatro depois de uma década), a peça retoma o personagem Ulisses, que Freire-Filho interpretou no longa Juventude (2008), de Domingos Oliveira, atuando, na ocasião, ao lado de Paulo José e do próprio cineasta.

As apresentações do monólogo serão no sábado e no domingo, às 18h, na sala Álvaro Moreyra.

Zero Hora – O que mudou em Ulisses do filme para o espetáculo?
Aderbal Freire-Filho
– Ele era o personagem, digamos, malsucedido entre os três. Na peça, misturei um pouco o Ulisses do filme com outros dados para fazer um personagem nascido daquele – ou aquele mesmo personagem, valorizando outros aspectos. Ele se desilude com o que vem fazendo. No começo da peça, deixa tudo – casa, trabalho – para tentar encontrar algum sentido. Pensa que não adianta mais esperar por nada e, por outro lado, não se leva a sério. O personagem tem um pouco de humor por causa disso.

ZH – Quais os artistas de gerações posteriores a sua que o senhor admira?
Freire-Filho
– Às vezes, entre mais jovens, há um teatro velho, e entre os velhos, um teatro jovem (risos). O importante é a postura. Ouvi do diretor uruguaio Atahualpa del Cioppo (1904 – 1993) que todo teatro é experimental ou deveria ser. Conheço muitos artistas que fazem isso no Brasil, como o Enrique Diaz, o Felipe Hirsch, a Christiane Jatahy. Tem muita gente jovem fazendo teatro novo. E muita gente jovem fazendo teatro velho também.

ZH – Qual é o lugar do teatro no tempo das mídias digitais?
Freire-Filho
– O teatro não sairá do lugar que sempre ocupou. O cinema foi muito mais vitimado pelas mudanças de mídias e tecnologias. Então, muda o lugar do teatro na sociedade. O teatro tem perdido muito público, aí muda do ponto de vista comercial. As peças já não dependem das bilheterias. Essas mídias oferecem a possibilidade de se repensar, de descobrir uma poética própria e, portanto, de viver paradoxos. Enquanto decresce como mercado, o teatro cresce como arte.

ZH – Como está a crítica teatral no Brasil?
Freire-Filho
– A crítica é muito necessária. Quando vejo críticos como Georges Banu, na França, e sua ligação com o trabalho do Peter Brook e com outros artistas que ele critica – mas se envolvendo com conhecimento da poética e da linguagem –, lembro da importância, do valor da crítica. No Brasil, com exceções, não vejo críticos desse porte. Vejo críticas superelogiosas desses musicais, dizendo que já sabemos fazê-los. É uma reverência provinciana ao entretenimento americano dos anos 1950. É um horror que consideremos isso um ganho para o teatro brasileiro. Que exista esse entretenimento, que ele seja bem feito e melhore, é maravilhoso – tem lugar para tudo. Agora, que isso interesse à crítica desse jeito, confirma o que acho de uma certa crítica que se faz no Rio e em São Paulo, que é uma resenha velha do entretenimento.

Programe-se

Ingressos:
> R$ 20 (R$ 10 para estudantes, idosos e classe artística e R$ 5 para comerciários e dependentes).
> Estão esgotados os ingressos para os espetáculos As Grandes Cidades sob a Lua (5 e 6 de maio) e Ode ao Progresso (7 de maio), ambos do grupo Odin Teatret (Dinamarca).

Onde comprar:
> Sesc Centro (Alberto Bins, 665), em Porto Alegre, de segunda a sexta, das 8h às 19h45min (até o meio-dia para as apresentações do dia). Pagamento em dinheiro, cheque à vista, cartão de débito ou crédito (Visa, Mastercard e Amex)
> Na bilheteria do local de cada apresentação, ingressos disponíveis uma hora antes do início da sessão, caso ainda haja disponibilidade. Pagamento apenas em dinheiro.

Os ingressos para o espetáculo Breves Entrevistas com Homens Hediondos (de 4 a 27 de maio, de sextas a domingos, às 20h, no Teatro de Arena) serão vendidos apenas nos dias e no local das apresentações.

> As senhas para os espetáculos com entrada franca serão distribuídas uma hora antes do início da apresentação, no local e no dia marcados.
> O acesso a espetáculos em escolas públicas requer agendamento prévio.
> Palestras, debates e filmes têm entrada gratuita por ordem de chegada (as portas serão abertas 30 minutos antes do início de cada atividade), exceto para a palestra com Eugenio Barba, no dia 8 de maio, às 20h, no Teatro Sesc, com distribuição de senhas no local, uma hora antes do início.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.