Amor e morte em Neptuno

Leticia Wierzchowski autografa nesta quarta o romance "Neptuno"

"Quando uma pessoa comete um ato de loucura qualquer, quantas pessoas mais isso prejudica?"

12/06/2012 | 17h05
Leticia Wierzchowski autografa nesta quarta o romance "Neptuno" Fernando Gomes/Agencia RBS
Com referências a alguns de seus autores preferidos, Leticia Wierzchowski apresenta a história de M., jovem que comete um assassinato Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

É a história de um amor intenso. É também a história de um crime. Neptuno, 19º livro de Leticia Wierzchowski, um romance que dá a essa paixão um desfecho trágico, tem lançamento e sessão de autógrafos nesta quarta, às 19h, na Livraria Cultura do Bourbon Shopping Country, em Porto Alegre.

Há pouco mais de um ano, em abril de 2011, a chacina que deixou 12 mortos na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, no Rio, ajudou a autora a esboçar alguns contornos do romance. Uma entrevista com familiares do atirador a fez pensar sobre as diversas vítimas indiretas nascidas de um episódio como esse – são vidas irremediavelmente alteradas. O livro Precisamos Falar sobre o Kevin, da americana Lionel Shriver, lançado no Brasil em 2007 e adaptado para o cinema pela diretora escocesa Lynne Ramsay no ano passado, também foi bastante marcante.

– Fiquei muito impressionada com a situação. Quando uma pessoa comete um ato de loucura qualquer, quantas pessoas mais isso prejudica? Quantas outras mortes subjetivas acontecem ao redor? – comenta Leticia.

Neptuno apresenta M. e June. O leitor logo descobre que M. cometeu um assassinato – nas primeiras páginas, o jovem vai em busca de um advogado, amigo de seu pai com quem não tem contato há anos, e faz a confissão. Ao telefone, diz precisar de seus serviços, ainda que a especialidade do interlocutor seja o direito de família. Dali em diante, a narrativa apresenta os protagonistas e a cidade que empresta seu nome ao título – uma praia pequena, familiar, pouco turística.

– A ideia que eu tinha guardada há anos era a da história contada pelo próprio M. Depois mudou. Circundar a história principal é o que a torna mais interessante. É uma história de amor contada por um narrador completamente oposto à história de amor. Os opostos se iluminam – afirma a escritora porto-alegrense, 40 anos completados na última semana.

Repleto de referências literárias e revelador de alguns dos escritores mais admirados por Leticia, o romance inspira-se principalmente em Somerset Maugham – a pequena Blackstable, cenário de O Destino de um Homem, guarda semelhanças com Neptuno – e Vladimir Nabokov, do clássico Lolita. Diz um trecho: "E June tinha sardas, minúsculas sardas douradas que pareciam pó de ouro. A boca era carnuda, cor de romã (...). June era uma menina crescida demais. Tinha um corpo delgado, de onde brotavam promessas. Ela andava suave e cadenciadamente. E tinha aquelas pernas longas, perfeitamente lisas...".

– Essa menina é a minha Lolita – compara Leticia.

Confira um trecho do livro:

"Claro que, olhando a coisa de frente, não veríamos mais do que um rapaz enamorado que perdeu a razão às vistas do ciúme. Aprecio, porém, narrar tudo isso longe dos limites rígidos que a minha profissão me obrigaria a tomar. Não uma morte apenas, com um culpado e a sua vítima. Mas duas pessoas ainda no começo da vida, saudáveis e belas e onipotentes ao seu modo, esmagadas, ambas, pela amplidão das possibilidades, confusas diante da álgebra dos dias – os cálculos, as apostas, as probabilidades de isso dar naquilo, e aquilo dar numa terceira coisa... Ah, essa angústia vespertina de futuro poluindo sempre a gloriosa manhã do presente.

Não posso detestar o jovem M., nem olhá-lo com repulsa. Suas belas mãos seguraram um punhal (...). Suas belas mãos mutilaram e feriram e mataram, mas ele acabou pagando a sua parte direitinho. Não, não o perdoo; mas não posso culpá-lo assim, com a cara limpa, o peito aberto, a alma lavada."

SERVIÇO

Neptuno
Leticia Wierzchowski

Sessão de autógrafos nesta quarta, às 19h, na Livraria Cultura do Bourbon Shopping Country (Av. Túlio de Rose, 80, em Porto Alegre), fone (51) 3028-4033.
Lançamento da Editora Record, 176 páginas, R$ 32,90.

O livro: Um jovem apaixonado que acredita estar diante do grande amor de sua vida logo se descobre envolvido em um enredo de trágico desfecho. O advogado de defesa que assume o caso reconstrói a história de angústia e desilusão de seu cliente, apresentando também ao leitor a pequena cidade de Neptuno.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.