Literatura no Mercado

Festa da Leitura vai até sábado no Mercado Público de Porto Alegre

Além da venda de livros, evento promove atividades voltadas para escolas

04/07/2012 | 21h23
Festa da Leitura vai até sábado no Mercado Público de Porto Alegre Ricardo Duarte/Agencia RBS
Além de comprarem livros, crianças participam de encenações e leituras no palco do evento Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

No Mercado Público tem de tudo, até livros. E agora tem também uma festa para o livro.

Até sábado está sendo realizada em um dos mais tradicionais e populares espaços da Capital a 1ª edição da Festa da Leitura, combinando ofertas de livros com descontos e atividades para incentivar adultos e jovens a caírem na leitura.

A Festa da Leitura tem lugar no Mercado Público das 8h até as 18h. Na parte da manhã, a programação é voltada para professores e mediadores de leitura, com oficinas e palestras no andar de cima do Mercado, no Auditório Popular em que costumam ocorrer assembleias do Orçamento Participativo. De tarde, abre-se o Centro de Eventos do Mercado, no Térreo, para receber, com entrada franca, visitantes interessados em acompanhar leituras públicas, declamações e contações de histórias. E em ver os livros, também, é claro. A festa é uma iniciativa do Clube dos Editores do Rio Grande do Sul.

Um passeio pela Festa da Leitura:

 

Avalie o vídeo

Em volta do centro de Eventos do Mercado Público, no térreo do edifício, 20 editoras enfileiram estandes com obras de autores rio-grandenses ou editadas por casas publicadoras daqui, vendidas com desconto. Nos dois primeiros dias de feira, 2 e 3, foram vendidos 301 exemplares, muitas vezes para pessoas que se faziam acompanhar das sacolas com as quais haviam feito compras de víveres e outros gêneros á venda no mercado.

– Vim comprar erva-mate e, na passagem, vi a agolmeração e vim olhar os livros. Gosto muito de ler, vou dar uma olhada e ver se acho alguma coisa – dizia o comerciário aposentado Nereu Silveira, 56 anos.

Outros se deslocaram ao mercado especificamente para acompanhar a festa, como Marilene Brito, 45 anos, que veio do bairro Jardim Carvalho, na Zona Leste, trazendo o filho Victor Heitor Brito, nove anos, para acompanhar as apresentações e revirar as estantes.

– Gosto muito desse tipo de atividade. Já trabalhei com isso em uma creche, e sei que é bom que eles tenham contato com o livro cedo – disse Marilene, enquanto Victor folheava um livro.

O coração do espaço, contudo, está reservado para um discreto palquinho, local das leituras ao vivo e das apresentações realizadas por escolas e bibliotecas.

Nesta quarta-feira, o espaço estava reservado para escolas municipais. Três escolas estavam agendadas para apresentarem leituras e encenações de seus alunos baseadas nas leituras apresentadas em aula. às 14h30min, como o primeiro colégio programado ainda não havia chegado em virtude de um atraso com os ônibus, a festa começou com o segunda escola, a Rincão, do Belém Velho, com sete alunos com idades entre 11 e oito anos declamando poemas de autores como Sérgio Capparelli, Rosana Murray e Ricardo Silvestrin.

– Estamos com planos nacionais e estaduais de livros e bibliotecas se estruturando, então queremos fazer o público conhecer a leitura e o livro como uma festa, não como uma imposição – diz Clô Barcellos, vice-presidente do Clube dos Editores e uma das organizadoras do evento.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.