A graça no fracasso

Esquecido no Oscar, filme dos irmãos Coen estreia nesta sexta-feira

Grande destaque da safra pré-premiação, "Inside Llewyn Davis" acompanha jornada de músico da cena folk dos anos 1960

20/02/2014 | 16h22
Esquecido no Oscar, filme dos irmãos Coen estreia nesta sexta-feira Paris Filmes/Divulgação
Oscar Isaac é Llewyn Davis Foto: Paris Filmes / Divulgação

O melhor filme da leva pré-Oscar não concorre às principais estatuetas e estreia nesta sexta-feira, escondido entre um blockbuster (RoboCop) e dois favoritos ao prêmio (12 Anos de Escravidão e Clube de Compras Dallas). Chama-se originalmente Inside Llewyn Davis. No Brasil, ganhou um desnecessário complemento: Balada de um Homem Comum.

Com visual às vezes soturno e humor negro, construído sobre o fracasso, o 16º longa dos irmãos Ethan e Joel Coen acompanha alguns dias na vida de um músico em busca de espaço na cena folk do Greenwich Village, na Nova York de 1961. A quase inexistência de informações que contextualizem sua trajetória é intencional: a jornada, aqui, é de descoberta da grandiosidade de um personagem à margem da história oficial. Llewyn Davis é livremente inspirado em Dave van Ronk (1936 – 2002), cantor que viveu à sombra do revival da folk music de raiz nos centros urbanos dos EUA durante as décadas de 1950 e 60.

Os Coen são os cineastas do lado B do sonho americano. Em Inside Llewyn Davis, entregam ao espectador um melancólico e hilariante, sensível e pungente ensaio sobre derrota e persistência, que evidencia o quanto o que não aconteceu pode ser ainda mais interessante do que aquilo que se tornou historicamente relevante. Qualquer analogia com os escolhidos e os preteridos do Oscar, neste caso, não deve ser desprezada.

Músico talentoso que ganha cachês ínfimos e vive de favor na casa de amigos, Llewyn é encarnado por Oscar Isaac, cantor e ator guatemalteca de inúmeros papéis pequenos em filmes grandes que aqui ganha a sua maior chance. E não a desperdiça. Com uma voz ao mesmo tempo suave e dolorida, Isaac/Llewyn canta muito, especialmente standards
do cancioneiro folk, a exemplo de Dink’s Song e Hang Me, Oh Hang Me, rearranjadas por músicos como T-Bone Burnett e Marcus Mumford.

Carey Mulligan e Justin Timberlake idem. Eles interpretam o casal de cantores Jim & Jean, responsável por uma performance lindíssima do clássico 500 Miles. São os parceiros com os quais o protagonista constitui sua relação mais sólida – e, mesmo assim, pautada por uma traição e mais xingamentos do que manifestações de carinho. "Duvido sair algo bom sobre mim da boca dela", diz à certa altura o personagem principal, referindo-se a Jean.

Llewyn também tinha um parceiro com o qual formava uma dupla. Ele, no entanto, suicidou-se recentemente. Inside Llewyn Davis é o título de seu trabalho solo, que ele luta para fazer acontecer. Nesse percurso, naturalmente, surgem reflexões sérias sobre temas como dignidade (não apenas artística), o que não impede os Coen de vislumbrar graça na derrota – coisa que eles fazem como ninguém no cinema contemporâneo, vide Barton Fink (1991), Fargo (1996) e tantos outros títulos.

Inside Llewyn Davis se passa no inverno, o que permite um aproveitamento do frio e do fog típico da época na elaborada construção visual do filme. Ainda mais do que isso, o que faz toda a diferença é a construção narrativa. Ela é enxuta, porém calcada em imagens significativas e sequências ricas (destaque para a viagem, de carona, rumo a Chicago). Ao final, há uma sacada que explica pontas abertas desde o início e, ao mesmo tempo, sugere a continuidade da jornada de Llewyn, como se ela não tivesse exatamente um início e um fim. Como se ela transcendesse limites de espaço e tempo, como se aquilo tudo fosse aplicável a tantos outros personagens semelhantes.

Por onde quer que se olhe, Inside Llewyn Davis é um filmaço.

INSIDE LLEWYN DAVIS – BALADA DE UM HOMEM COMUM
(Inside Llewyn Davis)
De Ethan e Joel Coen Com Oscar Isaac, Carey Mulligan, Justin Timberlake, Garrett Hedlund, Ethan Phillips, F. Murray Abraham e John Goodman.
Drama, EUA, 2013. Duração: 104 minutos. Classificação: 12 anos.
Estreia nesta sexta-feira no Espaço Itaú, no Cinemark Ipiranga, no GNC Moinhos e no Guion Center, em Porto Alegre.
Cotação: 4 estrelas.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.