Passeata cultural

Artistas fazem protesto em Porto Alegre para exigir melhor condição de trabalho

Profissionais ligados às artes cênicas devem fazer cortejo pela cidade nesta quinta-feira

Atualizada em 27/03/2014 | 13h0326/03/2014 | 18h54
Artistas fazem protesto em Porto Alegre para exigir melhor condição de trabalho Guilherme Santos/Agencia RBS
Artistas pedem melhorias em espaços como a Casa de Cultura Mario Quintana, que está em obras Foto: Guilherme Santos / Agencia RBS

No Dia Mundial do Teatro, celebrado nesta quinta-feira, artistas deixarão os palcos e tomarão as ruas de Porto Alegre em uma caminhada para exigir melhores condições de trabalho no Rio Grande do Sul.

Profissionais vinculados às artes cênicas deverão percorrer a região central da cidade, munidos de apitos e cartazes, a fim de reivindicar a criação de novos espaços culturais, melhores condições de manutenção naqueles já existentes e reforço nas políticas públicas voltadas para a área. O chamado "cortejo dos artistas gaúchos" deverá sair às 16h da Rua Voluntários da Pátria e terminar às 20h diante do Theatro São Pedro.

A presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado (Sated/RS), Rosa Campos Velho, afirma que a classe vem enfrentando dificuldades para atuar em teatros públicos municipais e estaduais.

Conforme mostrado por Zero Hora, durante o verão, profissionais e plateias sofreram com a falta de equipamentos adequados de climatização em locais como a Casa de Cultura Mario Quintana, o Teatro Renascença e a Usina do Gasômetro — e peças chegaram a ser canceladas por falta de condições.

— Avaliamos que a classe artística estava muito acomodada, apesar de não estar contente com as coisas que estão acontecendo. Queremos melhores condições de trabalho, em teatros bem aparelhados, organizados, limpos e com número adequado de funcionários — afirma Rosa.

Recentemente, a cantora gaúcha radicada na França Dom La Nena enfrentou problemas de sonorização ao fazer um show no Teatro Bruno Kiefer da Casa de Cultura, sob responsabilidade do Estado, o que chegou a atrasar o início do espetáculo. Segundo Rosa, também falta um número maior de técnicos contratados para trabalhar em funções como sonorização.

— As condições são precárias. Por isso, esperamos uma boa participação de 300 ou 400 pessoas no cortejo — afirma a presidente do sindicato.

Conforme o diretor de teatro Camilo de Lélis, há três décadas não são entregues novos teatros municipais em Porto Alegre, o que dificulta o acesso de artistas da Capital a um palco.

— Mesmo que se reformem os existentes, há necessidade de novos espaços. Enquanto isso, o teatro Elis Regina segue inacabado. Vamos ver como vai ficar — sustenta Camilo.

A obra de transformação de uma sala da Usina do Gasômetro em Teatro Elis Regina chegou a ficar parada por mais de dois anos. No momento, após um período de incerteza sobre se o projeto original seria implantado, a prefeitura pretende encaminhar uma licitação para destravar a reformulação e dar à cidade um novo teatro — mas ainda não há prazo definido para que isso ocorra.

Os artistas pretendem, ainda, lutar por mais recursos para o setor pedindo a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 150, que estabelece percentuais mínimos de investimento em cultura para municípios (1% do orçamento), Estados (1,5%) e União (2%).

CONTRAPONTOS

O que diz o secretário municipal de Cultura, Roque Jacoby

"A gente tem de aplaudir essa bandeira dos artistas, porque revela conscientização. O caso do teatro Elis Regina é especial porque estava há dois anos parado quando eu assumi, e havia insegurança em relação ao projeto que seria implementado. Decidimos tocar o projeto original, que deverá ser licitado ainda este ano. Hoje, aplicamos 0,8% do orçamento em cultura, e esperamos ultrapassar o patamar de 1% no ano que vem. A prefeitura vê a cultura como agente de desenvolvimento. Por isso, a nossa expectativa é aumentar os recursos de R$ 75 milhões este ano para mais de R$ 100 milhões no ano que vem. Neste ano, tínhamos R$ 1,5 milhão destinados a manutenção e aprimoramento dos espaços culturais, mas houve redução significativa devido a contingenciamentos, e ficaram cerca de R$ 560 mil."

O que diz o secretário-adjunto da Cultura do Estado, Jéferson Assumção

"Em três anos, por meio do Sistema Pró-Cultura RS, foram destinados R$ 9 milhões para as artes cênicas por meio da Lei de Incentivo à Cultura e pelo menos R$ 1,65 milhão pelo Fundo de Apoio à Cultura. Estamos investindo R$ 8 milhões na renovação da Casa de Cultura Mario Quintana, o que inclui a restauração da casa e dos três teatros que estão localizados lá, com novos equipamentos de som e luz. A obra deve ser entregue no dia 5 de novembro, que é o Dia da Cultura. Nesta quinta-feira, vamos assinar com a Secretaria Estadual da Saúde o repasse dos blocos 5 e 6 do Hospital Psiquiátrico São Pedro para grupos de teatro. Eles já ocupam esses locais, mas a formalização permitirá o restauro dos pavilhões e o lançamento de editais para uso desses espaços".

O TRAJETO DO CORTEJO

16h - Saída do Centro Cenotécnico (Rua Voluntários da Pátria, 1.370) - Rodoviária - Av. Mauá - Av. Borges de Medeiros
17h - Prefeitura de Porto Alegre
18h - Av. Borges de Medeiros - Riachuelo - Ladeira
19h - Theatro São Pedro
20h - Encerramento

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.