Memória de pedra

Exposição e livro recuperam litografias publicitárias do século 20

Mostra conta com 40 pedras recuperadas do acervo da Livraria do Globo

10/03/2014 | 15h44
Exposição e livro recuperam litografias publicitárias do século 20 Fotoletra/Cylene Dallegrave e Jane Machado/Divulgação
Livro documenta imagens como a da Padaria Victoria, que ainda existe em Jaguarão Foto: Fotoletra/Cylene Dallegrave e Jane Machado / Divulgação

Foram dois anos de trabalho que resultaram em uma exposição com abertura hoje, às 19h, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, em Porto Alegre, acompanhada do lançamento de um livro.

Em um projeto que recupera a história da publicidade e das artes gráficas no Rio Grande do Sul, a artista e professora Miriam Tolpolar imprimiu novas litografias a partir da restauração de matrizes do início do século 20.

As pedras chegaram ao Atelier Livre da prefeitura, onde Miriam leciona, em 2001, por iniciativa do artista Danúbio Gonçalves. Antes, estavam no calçamento da sede da antiga Livraria do Globo, no bairro Menino Deus, como um adorno do piso. Desde a década de 1930, quando a Livraria trocou a litografia pela impressão offset, as matrizes tornaram-se obsoletas.

- Acho que, quando a litografia começou a cair em desuso, eles não sabiam o que fazer com aquelas pedras. Talvez, na época, não tivesse ficado claro o valor que enxergamos hoje. É preciso o distanciamento do tempo - afirma Miriam.

Quase todo o material é de rótulos de cerveja, vinho, vinagre, entre outros produtos e serviços, que eram impressos na oficina da Livraria do Globo. Para produzir novas litografias, Miriam obedeceu instruções de cores presentes em algumas das pedras. A maioria, no entanto, não tinha referências, de forma que ela se baseou em cores utilizadas na época de modo geral. A pesquisa também envolveu entrevistas e um mergulho no acervo do Museu Júlio de Castilhos, que tem registros de marcas e patentes da época. Uma das surpresas foi um rótulo da Padaria Victoria, como explica Miriam:

- Descobri, na internet, que a padaria existe até hoje em Jaguarão. O prédio é o mesmo que está desenhado na imagem. Viajei a Jaguarão para conhecer a neta do fundador, que contou histórias e mostrou fotos antigas da padaria.

A exposição do projeto Memória da Litografia - Pedras Raras da Livraria do Globo conta com 40 matrizes restauradas e com as novas impressões criadas a partir delas. O livro (Editora Letral, 148 páginas, R$ 50) que documenta o processo e inclui um catálogo das imagens estará à venda na abertura e pode ser encomendado pelo e-mail tolpolar@terra.com.br. A pesquisa foi financiada pelo Fundo de Apoio à Cultura do governo estadual.

Serviço

Local:
Sala O Arquipélago do Centro Cultural CEEE Érico Verissimo (Rua dos Andradas, 1223, fone: 3226 7974)

Horário: de terça a sexta, das 10h às 19h, e sábado, das 11h às 18h. Até dia 30 de abril.

A Entrada é franca.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.