Do palco para a escola

Músico Kledir Ramil lança nesta semana livro de crônicas voltado ao público infantojuvenil

"Crônicas para Ler na Escola" é o terceiro livro do músico gaúcho

17/03/2014 | 15h28
Músico Kledir Ramil lança nesta semana livro de crônicas voltado ao público infantojuvenil Rodrigo Lopes/Divulgação
Kledir fará sessão de autógrafos em Porto Alegre e Pelotas Foto: Rodrigo Lopes / Divulgação

Depois de conquistar admiradores com sua música ao longo de quatro décadas, Kledir Ramil está se aproximando das novas gerações pela literatura.

Nesta terça-feira, às 19h, na Livraria Cultura (Shopping Bourbon Country), Kledir apresenta seu maior voo no mercado editorial: Crônicas para Ler na Escola, volume voltado ao público infantojuvenil – também haverá sessão de autógrafos na quinta-feira, no mesmo horário, na livraria Vanguarda, em Pelotas.

Com uma sólida carreira musical, iniciada ainda nos anos 1970 com o grupo Almôndegas e solidificada nas décadas seguintes com a dupla Kleiton & Kledir, o compositor lança seu terceiro livro.

Editado pela Objetiva, o volume integra a coleção Para Ler na Escola, iniciada ainda em 2001 com um conjunto de textos de Luis Fernando Verissimo. De lá para cá, outros nomes de peso ganharam edições, como Ruy Castro, Carlos Heitor Cony e João Ubaldo Ribeiro.

– Muita gente se aproxima do que eu escrevo porque gosta da minha música. Também há jovens leitores que começam a ler meus livros na escola e, a partir daí, descobrem minha longa obra musical – conta Kledir, que tem 61 anos e mantém a dupla com o irmão Kleiton desde 1980.

A seleção de crônicas ficou a cargo de Regina Zilberman, professora do Instituto de Letras da UFRGS com trajetória de pesquisa voltada à literatura infantojuvenil. O livro conta com alguns textos inéditos e outros já publicados nos jornais Zero Hora e Brazilian Voice. Mesmo assim, o olhar bem-humorado do músico e seus temas trabalhados fazem as crônicas parecerem criadas sob encomenda para os jovens. Assuntos como língua portuguesa, família e bastidores de sua carreira artística são abordados.

Com outros dois volumes de textos curtos editados – Tipo Assim (2003) e O Pai Invisível (2006), – Kledir avisa que está disposto a se dedicar ao desafio de escrever narrativas mais longas:

– Minhas crônicas circulam nessa fronteira entre realidade e fantasia. Tenho que conciliar isso com minha carreira musical, mas vou tomar um fôlego e, em algum momento, escrever um romance de ficção.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.