Consagração

Steve McQueen faz história como primeiro diretor negro a ganhar um Oscar de melhor filme

A escolha de "12 Anos de Escravidão" para receber estatueta mais cobiçada do cinema mundial não foi nenhuma surpresa, mas marcou um feito histórico

03/03/2014 | 14h22
Steve McQueen faz história como primeiro diretor negro a ganhar um Oscar de melhor filme Lucy Nicholson/X90050
Foto: Lucy Nicholson / X90050

A história verídica de um homem negro livre que é escravizado nos Estados Unidos da década de 1840 ganhou três Oscar: além de melhor filme, 12 Anos de Escravidão levou também atriz coadjuvante (Lupita Nyong’o) e roteiro adaptado. Já Gravidade venceu em sete das 10 categorias nas quais concorria – a maioria prêmios técnicos.

Apesar de somar 10 indicações, Trapaça saiu de mãos abanando da festa, enquanto Clube de Compras Dallas levou as merecidas estatuetas de interpretação masculina: ator (Matthew McConaughey) e coadjuvante (Jared Leto). Outra unanimidade da noite foi a escolha de Cate Blanchett como melhor atriz. Apesar de concorrer com nomes de peso como Meryl Streep e Judi Dench, a australiana está exuberante em Blue Jasmine, de Woody Allen.

Coube à mestre de cerimônias Ellen DeGeneres esquentar a morna premiação, divertindo o público com boas piadas e interagindo com os convidados da festa – a apresentadora distribuiu pedaços de pizza para atores como Brad Pitt, Harrison Ford e Bradley Cooper e tirou fotos ao lado de celebridades. E vaticinou no começo da cerimônia:

– Ou 12 Anos de Escravidão será o melhor filme ou vocês são todos racistas.

No primeiro discurso de agradecimento da noite, Jared Leto também acenou com a possibilidade de um Oscar politizado:

– Dedico o prêmio a todos os sonhadores do mundo que nos observam, em locais como Ucrânia e Venezuela. Estamos aqui observando suas lutas. Estamos pensando em vocês nesta noite.

O tom engajado da noite, porém, ficou menos nas falas e mais nas premiações: além de consagrar o poderoso libelo antirracista, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood destacou a luta contra a aids e a homofobia (Clube de Compras Dallas) e contemplou pela primeira vez um diretor latino-americano (Alfonso Cuarón). A plateia estrelada endossou essas opções e aplaudiu de pé Lupita Nyong’o, reconhecida por seu primeiro papel em um longa-metragem. Steve McQueen, diretor dos ótimos Fome (2008) e Shame (2011), agradeceu emocionado a eleição de 12 Anos de Escravidão como o melhor filme do ano – o drama tem o ator Brad Pitt entre os produtores.

– Todos merecem não apenas sobreviver, e sim viver. Dedico esta distinção a todos os que sofreram com a escravidão e aos que ainda sofrem – disse o realizador inglês de 44 anos, que já era um reconhecido artista visual antes de dedicar-se ao cinema.

> Em página especial, saiba tudo sobre o Oscar

> Alfonso Cuarón é o primeiro latino-americano a conquistar Oscar de melhor diretor

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.