No Brasil

Confira entrevista com Russell Crowe, o protagonista de 'Noé'

O ator esteve no Rio de Janeiro divulgando o novo filme

03/04/2014 | 15h48
Confira entrevista com Russell Crowe, o protagonista de 'Noé' PARAMOUNT PICTURES/Divulgação
Foto: PARAMOUNT PICTURES / Divulgação

Em sua passagem pelo Rio no fim de março, divulgando Noé, Russell Crowe participou de uma coletiva de imprensa e compareceu a uma sessão de pré-estreia da superprodução bíblica dirigida por Darren Aronofsky. No encontro com jornalistas – que começou com mais de uma hora de atraso porque o ator decidiu passear de bicicleta antes –, Crowe elogiou a Cidade Maravilhosa, mas criticou o trânsito ("É um caos"). O astro falou também de sua estreia como diretor:

– Terminamos de filmar The Water Diviner na Turquia há uma semana. Foi uma experiência fascinante. Fazer filmes está no meu DNA, mas não quero ser egoico quanto a isso. Amei a experiência de estar com o "pincel" na mão, no comando geral. Foi uma grande sensação.

Leia mais:
Russell Crowe estrela o polêmico filme 'Noé' em versões 3D e Imax

Como você descreveria o seu Noé?

Russell Crowe – Bem, Noé não é um super-herói. Ele não é nada além de um homem comum, um homem de muita fé, obviamente. Um homem a quem é dada uma tarefa tortuosa. No filme, seu filho lhe diz: "Eu acho que você foi escolhido porque você é bom". E Noé responde: "Eu fui escolhido porque posso fazer este trabalho". Isso tira um pouco do romantismo de Noé, mas acho que, como um todo, o filme desperta uma discussão sobre espiritualidade, faz as pessoas pensarem naquilo em que elas acreditam. Acho que não há nada de prejudicial nisso.

Você já disse que esse foi o filme mais difícil da sua carreira. Por quê?

Crowe – Foi fisicamente muito exigente. E teve um preço, se você parar para pensar sobre todo o processo. A história da vida de Noé e tudo pelo que ele teve que passar, tudo o que ele enfrentou. Quando você começa a pensar nisso diariamente, começa a pesar, sabe? Além disso, durante as filmagens, dia sim, dia não estávamos trabalhando sob chuva de verdade, em Nova York. Estávamos sob uma quantidade torrencial de chuva, que nos deixava encharcados de 12 a 14 horas por dia. Na realidade, nós fizemos 36 diárias na chuva, o que é um pouco menos do que a exigência bíblica (risos). Mas nós tínhamos tantos equipamentos para criar chuva artificial que, em 10 ou 12 segundos, assim que eles apertavam um botão, éramos capazes de inundar oito campos de futebol.

Como foi trabalhar com o diretor Darren Aronofsky?

Crowe – Darren é um diretor em tempo integral. Ele está sempre pensando no processo e sobre aquilo que está fazendo e filmando. É uma coisa boa. É bom que ele esteja envolvido tão profundamente com isso. Eu provavelmente não aceitaria fazer algo tão extremo se não fosse com alguém que eu soubesse que teria o mesmo nível de comprometimento que tive. E Darren teve. Ele é um artista.

O que você acha da censura ao filme em países islâmicos como Catar, Bahrein e Emirados Árabes Unidos?

Crowe – O que eles vão perder é a oportunidade de discussão. Você pode ter fé ou não, mas, quando você sai do filme, fica se questionando. Não foi surpresa para os produtores que alguns países islâmicos tenham proibido o filme, já que a religião deles não permite a representação de figuras cultuadas.

Você tem um rancho na Austrália. Fale sobre sua relação com os animais, por favor.

Crowe – Foi uma combinação interessante: Darren é vegetariano, eu crio gado. Eu amo animais. Tenho uma conexão espiritual forte com eles. Se vocês virem meus filmes, dá para perceber que tenho uma intimidade com cavalos. O que ficou para mim neste filme é ver que não lidamos com os animais com o respeito que eles merecem. Se nós olhássemos os animais com dignidade, também mudaríamos a forma como olhamos para nós mesmos. Foi muito decepcionante quando descobri que os animais em Noé seriam digitais. Não acreditei que não teríamos os animais entrando na arca!

Outros filmes bíblicos a caminho

Filho de Deus

> Este filme sobre a vida de Jesus Cristo terá direção do estreante em longas ficcionais Christopher Spencer e será protagonizado pelo ator português Diogo Morgado, que já interpretou Jesus na minissérie The Bibble (2013). Estreia no Brasil no dia 17 de abril.

Exodus

> O mais novo longa de Ridley Scott terá Christian Bale na pele de Moisés. O drama épico adapta o livro bíblico Êxodo, que já rendeu o clássico Os Dez Mandamentos (lançado em 1956, com Charlton Heston como Moisés). Sigourney Weaver, Ben Kingsley e Joel Edgerton também estão no elenco. O filme deve estrear em dezembro deste ano.

Mary, Mother of Christ

> Superprodução sobre a vida de Maria, mãe de Jesus, este filme teve inúmeros contratempos – entre eles, a morte de Peter O’Toole (em dezembro de 2013), que participaria do projeto. A atriz israelense Odeya Rush, de 16 anos, deve ser a protagonista. O longa está em pré-produção e deve chegar ao circuito em 2015.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.