Castanha reloaded

Depois de filme, ator e performer Castanha é personagem de peça teatral

"Até o Fim" entra em cartaz nesta sexta-feira no Museu do Trabalho

30/07/2014 | 07h01
Depois de filme, ator e performer Castanha é personagem de peça teatral Léo Cardoso/Agencia RBS
João Carlos Castanha em ensaio de Até o Fim Foto: Léo Cardoso / Agencia RBS

Os holofotes não saem de João Carlos Castanha. Depois de ser tema de um longa-metragem, dirigido por Davi Pretto, o ator, performer e lenda viva da noite porto-alegrense agora estrela Até o Fim, espetáculo teatral que entra em cartaz nesta sexta-feira no Museu do Trabalho.

Zé Adão Brabosa dirige a peça que o próprio Castanha escreveu a partir de suas memórias, numa linha tênue entre ficção e autobiografia – mais ou menos como o filme, que teve sua première nacional na semana passada, no Festival de Paulínia (e ainda não tem data para estrear no circuito).

Leia crítica sobre o espetáculo

– A peça é uma comédia sobre a morte – define o autor e intérprete, em meio à maratona de ensaios e viagens para acompanhar as exibições do longa.

Castanha, o filme, passou pelo Festival de Berlim em fevereiro e, depois disso, teve sessões no Japão, na Argentina, na Dinamarca e nos EUA. Ambos, longa e peça teatral, fazem parte do mesmo processo, por assim dizer. Explica Castanha:

– Comecei a escrever Até o Fim há cerca de três anos. Mostrei o texto para o Davi Pretto. Ele gostou e decidiu incorporar algumas das histórias ali narradas à trama do longa-metragem.

Além disso, no filme, vê-se Castanha escrevendo a peça e até montando-a – caso em que a ficção antecipa o real, ou vice-versa, que já o filme ainda não pôde ser visto pela maior parte do público.

Na peça, interpretando a si próprio, Castanha é um doente terminal que relembra episódios de sua vida em conversas com uma enfermeira (Rose Canal). Tímida e solitária, a mulher se deixa transformar a partir do contato com o artista e suas histórias, algumas delas verdadeiras lendas urbanas da Porto Alegre real, outras envolvendo personagens conhecidos como Fonso, ex-gerente do bar Ocidente, o cabeleireiro Claudiona e o performer Nega Lu.

– Ele cita coisas pelas quais valeu a pena viver: filmes marcantes, pessoas queridas, a efervescência dos anos 1980. Mas com leveza, com um espírito cômico. Castanha é um dos maiores comediantes que já vi na vida – diz Zé Adão, seu amigo (e parceiro de inúmeras histórias) há 30 anos.

Até o Fim ficará em cartaz de sextas a domingos, sempre às 20h, até 24 de agosto. Os ingressos custam R$ 20 no Museu do Trabalho (Andradas, 230) e R$ 15 antecipados (à venda na Casa de Teatro, que fica na Garibaldi, 853, de segunda a sexta, das 9h30min às 22h30min, e no sábado, das 9h30min às 20h).

Afinal, o que Castanha tem?

> Castanha começou a carreira na Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz e na Cia. Tragicômica Balaio de Gatos, grupo de criação coletiva dos anos 1980 que trabalhava com teatro e dança e, sublinha o encenador Zé Adão Barbosa, era "o" grupo de seu tempo.

> Em 1986, escreveu uma adaptação de O Menino Maluquinho, que ficou em cartaz por 16 semanas ininterruptas na Capital. Foi a primeira de suas várias incursões pela dramaturgia infantil. De lá para cá, também escreveu comédias, entre as quais estão A Hora do Espanto e O Bordel das Irmãs Metralha.

> Paralelamente, começou a trabalhar como performer nas boates do nicho gay underground. Ao protagonizar histórias que se tornaram lendárias na noite, tornou-se personagem de si mesmo, algo que tanto o filme Castanha quanto a montagem de Até o Fim incorporam desde o seu princípio.

> Teria sido Castanha o inventor da expressão "lasanha", muito comum anos atrás, para designar um homem bonito? E quanto à lenda de que, para liberar um jornaleiro do trabalho e poder levá-lo para casa, após uma noitada, ele teria comprado todos os seus jornais e os jogado no Arroio Dilúvio?

> Aos 53 anos, Castanha diz já não ter certeza do que é real e do que é inventado nessas histórias. Zé Adão crava: "É tudo verdade". A "magnética" de sua figura tem a ver com essas lendas e, ainda, seu carisma no palco e seu timing cômico. Pena que Claudiona e Nega Lu, para ficar em dois parceiros citados anteriormente, já tenham morrido e não desfrutem da luz dos mesmos holofotes que agora iluminam Castanha.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.