Opinião Foo Fighters

Edu K: "Terei eu ficado velho ou vocês ficaram moles demais?"

ZH pediu para dois músicos darem suas opiniões sobre o show do Foo Fighters em 21 de janeiro na Fiergs

Por: Edu K*
22/01/2015 - 19h11min
Edu K: "Terei eu ficado velho ou vocês ficaram moles demais?" Julio Cordeiro/Agencia RBS
Foto: Julio Cordeiro / Agencia RBS  

Todo mundo sabe que me alimento de polêmicas no café da manhã – faz tempo que deixei de lado a dieta Berlinense de coke & milk – e que sou um Merry Prankster de nascença, mas chegamos a um ponto na famigerada história de nossa cultura pop, como espelho (ainda que estilhaçado) de nossa sociedade em geral, em que não vai mais ter caô nem chazinho da tarde com bolachas: teremos, sim, que escolher lados!

Leia a opinião de Mano Changes sobre o show do Foo Fighters

Só para coalhar ainda mais este singelo texto de referências pop, é como se estivéssemos vivendo dentro da trilogia Star Wars: ou você está do lado negro da força ou você frequenta o mesmo salão de beleza que Luke Skywalker para manter aquele belíssimo Farrah Fawcett hairstyle. A crescente onda de conservadorismo de direita quem vem assolando o planeta como um tsunami da moral e dos costumes é nefasta, e merece atenção. Existe uma certa pressão pela homogeneidade hoje em dia. Não deve-se desviar muito da horda. Individualismo é palavrão. A globalização teve esse efeito nefasto. Por outro lado, parece que nunca foi tão fácil controlar as massas. Belo trabalho, Big Brother. É preciso fincar o pé no chão e defender nosso espaço – nosso, assumindo que você seja um desajustado como eu – antes que nos prensem na parede. Com isto, declaro hasteada e tremulante, bem lá no alto, minha bandeira FREAK e vamos, finalmente, ao assunto que cá me trouxe: os famigerados Foo Fighters.

Leia também:
Gustavo Brigatti: estrutura e som ofuscam estreia do Foo Fighters
Tudo sobre o Foo Fighters

Bem, antes que os fãs do clickônico baterista do Nirvana me tirem pra Judas (Priest haha), deixo claro que não estou tirando os Foo pra Cristo, mas, sérinho: será que ainda quero fazer parte (como...roqueiro?) de algo que hoje em dia tem seu maior representante (ao menos segundo histéricas opiniões por todos os lados e timelines neste pós show de Porto Alegre – ao qual compareci, antes que você me acuse de ficar atirando pedras de uma distância segura) numa banda como os Foo Fighters? OK, o clichê, adequado à minha avançada idade é "sai fora, seu velhote de merda”, mas terei eu ficado velho ou foram vocês que ficaram moles demais?

Vejam bem, nada contra some good 'old rock n' roll fun e os Foo são ainda um tanto chinelos dentro do profissionalismo todo de um show de rock de arena e mandam bem no quesito (o que me agradou, na verdade), mas...is this the death of bad 'old rock n' roll fun? No more 'Bad Music For Bad People'? Me parece que vivemos em uma época similar a época que fomentou e inventou o rock, com uma bundamolice que impera, posturas de direita que proliferam, um conformismo que sufoca e uma violência estapafurdia que permeia tudo e todos, com gente defendendo pena de morte, discriminando por raça e credo (ainda...) e torcendo a cara e os beiços pra qualquer tipo de sexualidade que ameace seu mundo “papai & mamãe”: o circo perfeito pra pegar fogo com a explosão de uma nova expressão libertária e popular que acorde a população de extras de The Walking Dead caminhando pelas ruas e se alimentando de cérebro de minhoca pasteurizado nos shoppings das cidades. Nova expressão, diga-se, porque o rock não será tal coisa. O rock é um monstro coorporativo hoje, não serve mais às causas revolucionárias.

Para finalizar, faço um mea culpa e assumo: sou mesmo um charopão, apenas o Peréio da nova geração, mas faço este apelo ao povo guerreiro da disposição e terror: saiam das suas tocas de toelho e sigam-me os vivos ao topo da montanha! Vamos ver se lá de cima já se consegue enxergar The First Rays Of The New Rising Sun...​

*Edu K é músico e produtor musical