Literatura infantil

Ruth Rocha dá início à celebração de 50 anos de carreira

Escritora paulistana é um dos maiores ícones da literatura infantil brasileira

Por: Alexandre Lucchese
22/04/2015 - 16h14min | Atualizada em 23/04/2015 - 05h15min
Ruth Rocha dá início à celebração de 50 anos de carreira : Eduardo Anizelli/Folhapress
A escritora Ruth Rocha Foto: : Eduardo Anizelli / Folhapress  

Quem viveu a infância depois dos anos 1970 dificilmente não teve contato com as histórias de Ruth Rocha. Com a carreira literária iniciada em plena ditadura militar, ela buscou formar leitores de espírito crítico e encantou diferentes gerações com obras como Marcelo Marmelo Martelo, O Reizinho Mandão e Sapo Vira Rei Vira Sapo. A paulistana tem no currículo mais de 150 livros de ficção para crianças, superou a marca de 40 milhões de exemplares vendidos e ainda segue conquistando novos leitores.

Leia mais:
“O politicamente correto foi muito prejudicial para a literatura infantil”, diz Ruth Rocha

Tão badalada quanto a trajetória de Ruth pelas letras será a celebração dos seus 50 anos de carreira. Nada menos do que três anos de comemorações estão programados, incluindo montagens de teatro, um documentário e uma exposição. Os festejos terão início no próximo dia 29, com o anúncio oficial do projeto 50 Anos Ruth Rocha, no Itaú Cultural. Aos 84 anos, Ruth revela estar com o fôlego intacto para celebrar:

— Como sou muito festeira, estou achando tudo ótimo!

Ainda em 2015, estão previstas as estreias das adaptações teatrais de O Reizinho Mandão e Dois Idiotas Sentados Cada qual no seu Barril. Já no próximo ano será a vez da primeira narrativa de Ruth, Romeu e Julieta, ganhar os palcos.

Outra novidade prevista para 2016 será a estreia do documentário Ruth Rocha, com direção de Evaldo Mocarzel e depoimentos de Mauricio de Sousa, Maria Adelaide Amaral e Dib Carneiro Neto, entre outros. Para encerrar as homenagens, uma exposição sobre a autora deverá ser montada em 2017, ainda sem local definido.

 Leia mais matérias sobre literatura

O marco oficial para a comemoração é o ano de 1967, quando Ruth começou a publicar artigos sobre educação para a imprensa. Foi assim que chamou a atenção da revista Recreio, fenômeno editorial infantil que, na época, contava com tiragens semanais de 250 mil exemplares. Ela então foi convidada pelo veículo a exercer o posto de orientadora pedagógica e, mais tarde, passou a publicar ali suas primeiras histórias. Não demorou para que a autora conquistasse o gosto dos leitores. Formada em Sociologia, Ruth conta que ficou surpresa:

– Não tinha a menor ideia de que me tornaria escritora.

Mesmo com o clima pouco propício dos anos de chumbo, Ruth criou personagens e histórias que poderiam ser interpretadas como metáforas da situação política da época. Para ela, o exercício de gerar cidadãos questionadores é até hoje um dos grandes motivadores para sua dedicação à literatura:

– Todo livro bom colabora para a formação de consciência crítica, seja em relação ao poder ou a outros assuntos. Um belo livro educa pela arte, pela sensibilidade, pela boa linguagem. Gostaria que todo meu trabalho fosse assim.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.