Vida encenada

"Olmo e a gaivota" embaralha ficção e realidade acompanhando gravidez de uma atriz de teatro

Brasileira Petra Costa, de "Elena", assina com a a dinamarquesa Lea Glob direção do filme que tem como produtor o ator americano Tim Robbins

06/11/2015 - 03h01min
"Olmo e a gaivota" embaralha ficção e realidade acompanhando gravidez de uma atriz de teatro Busca Vida Filmes/Divulgação
Foto: Busca Vida Filmes / Divulgação  

Sobre os diários e gravações de sua irmã suicida, Petra Costa fez de Elena (2012) um delicado e comovente documentário em que luto e poesia buscavam compreender a morte. Em seu novo filme, Olmo e a Gaivota, a diretora mineira também faz uso de registros íntimos, agora para iluminar uma celebração à vida.

Em cartaz nos cinemas, Olmo e a Gaivota, que Petra assina junto com a dinamarquesa Lea Glob, distancia-se de Elena também na sua ambição formal de embaralhar de forma mais radical os registros de ficção e documentário. Diante do resultado híbrido, o espectador é lançado em um estimulante jogo entre encenação e realidade que é, apropriadamente, ambientado nos bastidores de uma companhia teatral. Os protagonistas do filme são a italiana Olivia Corsini e o francês Serge Nicolai, casal de atores que se apaixonou nos bastidores da célebre companhia teatral francesa Théâtre du Soleil.

"A Floresta que se Move", com Ana Paulo Arósio, moderniza Shakespeare
Daniel Feix: "Dheepan" é um ensaio poderoso sobre os refugiados na Europa
James Bond mantém o pique mas vacila no rumo em "007 Contra Spectre"

— O projeto teve início quando recebi o convite para realizar um filme na Dinamarca com apenas uma semana para pensar no tema. Minha ideia era acompanhar um dia na vida de uma mulher. A Lea queria fazer um documentário, enquanto eu pensava numa ficção. Então, decidimos misturar tudo — explica Petra, em entrevista a ZH.

A diretora brasileira estudou teatro e desde 2000 acompanha o trabalho do Théâtre du Soleil. Ao se aproximar de Olivia e Serge, soube que eles tinham visto e gostado de Elena. Toparam a ideia de terem suas vidas acompanhadas pela câmera, mas logo em seguida Olivia descobriu estar grávida.

— Decidimos incorporar essa transformação no filme acompanhado-os pelos nove meses da gestação. O roteiro foi construído com eles a partir dos diários da Olívia e das situações que fomos vendo de perto. É um filme sobre o processo de encenação que dança no limite entre a ficção e a realidade. É uma fronteira aberta em criação e movimentação.

A notícia da gravidez de Olivia chegou em meio aos ensaios para uma montagem de A Gaivota, de Tchekhov.

— Como o Théâtre du Soleil estava em recesso à época, propusemos a montagem fictícia, porque o texto de A Gaivota destaca duas mulheres em momentos distintos. Tchekhov é o teatro pós-dramático, em que o extraordinário acontece na cabeça – destaca Petra, fazendo referência às personagens da peça que Olivia espelha, também atrizes: Arkadina,que encara o envelhecimento, e Nina, que perde a razão.

No decorrer do filme, Olivia vive um processo de transformação física e existencial à espera do filho. Afastada da companhia por recomendação médica, a atriz de 34 anos reflete sobre a nova vida a três que se avizinha, o futuro profissional em xeque e as escolhas que fez na vida. A câmera flagra momentos de melancolia, alegria, crises com Serge e celebração com amigos. Por vezes, as intervenções das diretoras alertam que nem tudo o que se vê pode ser o “real” ou "encenação" — uma mesma sequência pode apesentar os dois registros.

— Olivia e Serge são mestres da improvisação. Ela se empolgou com a proposta do registro pessoal, e ele foi mais relutante — conta Petra.

Quem aparece nos créditos de Olmo e a Gaivota como produtor executivo é o ator americano Tim Robbins. Petra explica:

— Depois que viu Elena, ele se ofereceu para ajudar na promoção do filme nos Estados Unidos e nos deu um grande apoio abrindo espaço em veículos de comunicação importantes. Naquela época, em 2012, eu já estava trabalhando no Olmo e A Gaivota, e o Tim Robbins se interessou pelo projeto, porque o grupo de teatro dele (The Actors’ Gang, que trouxe ao Porto Alegre em Cena de 2014 a montagem de Sonho de Uma Noite de Verão, de Shakespeare) é uma espécie de filho do Théâtre du Soleil nos EUA. Ele já tinha realizado projetos com o Georges Bigot (ator e diretor da companhia francesa) e conhecia a Olivia e o Serge. Foi muito bacana o Tim ter abraçado o projeto.

Olmo e a Gaivota
De Petra Costa e Lea Glob
Drama/documentário, Brasil/Dinamarca/Portugal/França/Suécia, 2014, 87min. Em cartaz no Espaço Itaú e no Guion Center.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.