Lady

Conheça a rotina e a trajetória de Roberta Jacinto, a 1ª Prenda do Rio Grande do Sul

Estudante de Direito de 21 anos conquistou a faixa em maio

16/09/2016 - 08h01min | Atualizada em 16/09/2016 - 08h02min
Conheça a rotina e a trajetória de Roberta Jacinto, a 1ª Prenda do Rio Grande do Sul Julio Cordeiro/Agencia RBS
Foto: Julio Cordeiro / Agencia RBS

Representar todas as características da mulher tradicionalista. Este é o papel da 1ª Prenda do Rio Grande do Sul, cargo que, desde maio, pertence à Roberta Jacinto, 21 anos, do CTG Prenda Minha, de Bagé.

A estudante de Direito, que está em Porto Alegre para a Semana Farroupilha, conversa com o Lady em pleno Acampamento Farroupilha. Lá, fala sobre as suas responsabilidades no posto, beleza, estilo e o amor pelo Rio Grande do Sul.

Confira outras notícias do Lady

Trajetória
Roberta começou no Movimento Tradicionalista aos 11 anos, quando entrou no CTG Prenda Minha, em Bagé. O seu interesse pelos concursos de prenda, chamados de Cirandas, começou quando ela ainda era da categoria mirim – dos 10 até 12 anos:

– Participei da Ciranda do meu CTG. Depois, como juvenil (entre 13 e 17 anos), concorri duas vezes. Na primeira, cheguei à fase regional e fiquei em quarto lugar. Na segunda, fiquei em quarto, na fase estadual. Para levar o grande título, foram três anos de preparação e etapas.

– Em 2014, participei da categoria adulta (dos 18 aos 27 anos) e ganhei no meu CTG. Em 2015, venci na região e, agora, sou a 1ª Prenda do Rio Grande do Sul! – fala, orgulhosa. 

Vaidade com praticidade
Vida de 1ª Prenda não é fácil. Ainda mais para Roberta, que representa um CTG de Bagé, mas mora em Rio Grande, onde estuda e trabalha. Desde que ganhou o concurso, em maio, ela participa de eventos no Estado quase todos os finais de semana. E a agenda se intensifica com a chegada da Semana Farroupilha.

Por isso, a produção precisa ser prática. Participante de invernada desde os 11 anos, ela foi aprendendo a fazer o próprio cabelo e a maquiagem. Para deixar a vida mais fácil, anda pra cima e pra baixo com um maleta em couro, toda personalizada.

– Não sei dizer desde quando, mas este acessório virou uma tradição. A 1ª Prenda que passa a faixa sempre presenteia a sucessora com uma. É como se fosse a minha bolsa. Carrego escova pro cabelo, grampos, celular, remédios e maquiagem básica: batom, rímel, sombra e um pó – lista.

Foto: Julio Cordeiro / Agencia RBS

Básica
Fora dos CTGs, Roberta faz faculdade e estágio de Direito. Mas o que ela vive no movimento tradicionalista influencia sua vida.

– É impossível separar a Roberta de dentro e de fora do CTG. Uma das coisas que aprendi aqui dentro e que levo para a minha vida é ser solícita. Eu tento sempre atender ao que as pessoas me pedem – diz.

Sem o vestido de prenda, a bela conta que faz o estilo básica:

– As minhas roupas são quase sem detalhes.

Representa

Foto: Julio Cordeiro / Agência RBS

Mas não é nada fácil alcançar a faixa de 1ª Prenda. As atividades incluem provas de Geografia e História, redação, prova artística, danças e uma prova oral, cujo assunto é sorteado só na hora. 

A pilcha precisa ser completa. O cabelo deve estar arrumado, e a maquiagem, apesar de leve, tem que realçar a beleza:

– Uma das características da mulher gaúcha é a simplicidade. Mas, se eu estiver com o vestido amassado e sem maquiagem, as outras prendas não vão se sentir representadas. 



 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.