Cinema

Fenômeno "Bruxa de Blair" volta no embalo dos filmes de terror que faturam como blockbusters

Com orçamento baixo e lucros nas alturas, produções do gêneros estão entre as bases de sustentação de Hollywood

14/09/2016 - 04h00min | Atualizada em 14/09/2016 - 08h46min
Fenômeno "Bruxa de Blair" volta no embalo dos filmes de terror que faturam como blockbusters Lionsgate/Divulgação
Novo "Bruxa de Blair" vem para aproveitar o filão de filmes de baixo orçamento que faturam alto nas bilheterias Foto: Lionsgate / Divulgação

Não é segredo que, ao lado dos filmes de super-heróis, o gênero do terror é um dos responsáveis por sustentar a máquina de Hollywood desde a virada do século. E o lançamento da mistura de remake com reboot e continuação de Bruxa de Blair, em cartaz a partir desta quinta, prova que essa engrenagem ainda não encontrou seu ponto de fadiga.

Leia mais
"O que vai se ver em 'Supermax' ainda não foi feito", promete criador de nova série da Globo
Diretor de "Invocação do Mal 2" quer trazer de volta a grandeza dos filmes de terror


Somente este ano, pelo menos três longas-metragens baseados em sustos, correria e gritos fizeram bonito nas bilheterias. Mas ao contrário dos filmes baseados em quadrinhos, os filmes de terror não contam com orçamentos milionários e nomes que naturalmente arrastam multidões às salas de projeção – o que os tornam ainda mais valiosos para os grandes estúdios.

Um dos multiplicadores de dólares mais queridos atualmente é o uruguaio Fede Alvarez. Em 2013, gastou US$ 17 milhões para refazer o clássico A morte do demônio, que rendeu quase US$ 100 milhões em todo o mundo. Este ano, repetiu a dose em O homem nas trevas, e com menos dinheiro ainda: gastou US$ 10 milhões para, em menos de um mês, arrecadar US$ 67 milhões nos EUA.

Quando as luzes se apagam, do estreante David F. Sandberg, foi ainda mais impressionante. Lançado no dia 22 de julho, precisou de menos de US$ 5 milhões para ser produzido e já amealhou mais de US$ 140 milhões no mundo. Um dos seus segredos, no entanto, está no toque de Midas de James Wan e sua produtora, a Atomic Monster.

Realizador australiano de 39 anos, Wan está há uma década tirando dólares de pedra. Em 2004, inaugurou o torture porn com a franquia Jogos mortais – que até 2010 rendeu mais de US$ 800 milhões. Três anos depois, fundou a Atomic Monster e iniciou outra série de sucesso, Invocação do mal.

Considerado revolucionário pela crítica, o primeiro filme precisou de US$ 20 milhões para render mais de US$ 300 milhões. Sua sequência, lançada em junho deste ano, também não fez feio: gastou US$ 40 milhões e levou para casa US$ 320 milhões. É da Atomic Monster outro arrasa-quarteirão, Annabelle, spin-off de Invocação do mal que reverteu os US$ 6,5 milhões gastos em sua produção em US$ 256 milhões de lucro. 

Brasileiros não assistem a produções locais de terror 

Os espectadores brasileiros seguem a preferência global pelos filmes de horror, mas pouco prestigiam as produções locais do gênero. É verdade que o investimento nesse segmento é tímido, mas o terror nacional tem apresentado nos últimos anos títulos interessantes praticamente ignorados pelas distribuidoras e, em consequência, pelo público.

Um exemplo recente é O diabo mora aqui, de Dante Vescio e Rodrigo Gasparini, lançado em julho e jogado no circuito com zero divulgação – em Porto Alegre, ganhou apenas um horário diário no Espaço Itaú. Elogiado pela crítica, conta a história de quatro jovens que vão passar uma temporada em uma casa de campo, onde encaram um espírito vingativo. Cabe destacar ainda o diretor capixaba Rodrigo Aragão, autor de filmes como Mar negro (2013), que, em vez de repetir fórmulas importadas, investe em mitos e lendas do folclore brasileiro para tocar o terror.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.