Cinema

"Central" brilha no Festival do Rio e vai virar série na tevê a cabo

São três exibições ao todo na badalada festa do cinema, na Cidade Maravilhosa. Neste sábado, 15, teve sessão comentada com a antropóloga Alba Zaluar. 

15/10/2016 - 10h08min | Atualizada em 16/10/2016 - 08h34min
"Central" brilha no Festival do Rio e vai virar série na tevê a cabo Reprodução/Reprodução
Imagens feitas pelos próprios detentos, de dentro do Presídio Central de Porto Alegre Foto: Reprodução / Reprodução

O filme Central teve seu momento de glamour neste sábado, à tarde. Inspirado no livro Falange gaúcha (2008), que nasceu a partir de uma série de reportagens publicadas no Diário, em 2007, o documentário foi exibido no Festival do Rio, um dos mais badalados do país.

Participaram da sessão comentada, no Centro Cultural Banco do Brasil, os diretores e roteiristas Renato Dornelles e Tatiana Sager e a antropóloga Alba Zaluar, especialista em crime organizado. São três exibições ao todo no Festival do Rio, além de já ter brilhado em Florianópolis, Montevidéu, no Uruguai, e no Festival de cinema de Gramado.

— Nunca imaginei que o filme teria essa repercussão — diz Renatinho, repórter de segurança pública do Grupo RBS, que assina o livro Falange gaúcha e a coluna Boletim de ocorrência, no Diário, contabilizando 30 anos de jornalismo.

A diretora Tati Sager, sócia-proprietária da Panda Filmes, considera este o segundo grande momento do documentário, depois dapremiação no Festival de cinema itinerante da língua portuguesa (FESTin), em maio, em Lisboa, Portugal:

 —Dá até um friozinho na barriga! Ainda mais pela presença da Alba, uma referência.

Os diretores Tatiana e Renatinho faceiros com a repercussão do trabalho mundo afora Foto: Zeca Brito / Divulgação

Pelo Brasil

Com tanto prestígio mundo afora, o documentário vai virar série. Retratos do cárcere passará no canal a cabo Box Brazil — e já há outras emissoras interessadas em exibir o material depois.

O projeto de sequência do filme ganhou financiamento da Agência Nacional do Cinema (Ancine) e tem como objetivo mostrar a realidade do sistema prisional com todas as suas nuances e os reflexos na sociedade.

— Serão 13 episódios, cada um com um tema diferente, como os travestis nos presídios, o poder das facções criminosas e as religiões — adianta Renatinho, que já tem um rico material a ser aproveitado da captação do documentário:

— Conseguimos acompanhar, por exemplo, um ritual de batuque no Central e uma cerimônia de batizado evangélica lá.

A ideia, agora, não é ficar só no Rio Grande do Sul, mas expandir as filmagens, que começam em 2017, para outros presídios do país.

Papel social

Com isso, ganha força a missão social de Central, que já tem sido apresentado aos internos da Fase (Fundação de Atendimento Sócio-Educativo) na Capital.

— A sociedade, que não conhece de perto o sistema penitenciário, acha que, quanto pior a situação lá, melhor, mais se sente vingada. Mas é justamente o contrário — observa Renatinho.

Para multiplicar esta nova visão, o filme vem percorrendo, antes de ir para a tevê, um circuito pelas universidades, com o objetivo de promover o debate:

— O documentário mostra que, quanto mais superlotado o presídio, menor é a interferência do Estado e mais se fortalecem as facções comandando crimes, como o roubo de carros, de dentro da cadeia.

Leia mais sobre famosos e entretenimento

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.