Arte

O saudoso ocaso de Antonio Soriano

Artista morto em julho permaneceu fiel à expressão figurativa e conseguiu se estabelecer como um pintor reconhecido por um público leal

08/10/2016 - 03h03min | Atualizada em 09/10/2016 - 16h42min
O saudoso ocaso de Antonio Soriano Antônio Soriano/Galeria Bublitz
Foto: Antônio Soriano / Galeria Bublitz

Paulo C. Amaral
Artista plástico, curador independente e diretor geral do MARGS Ado Malagoli

Antonio Soriano foi um artista iluminado. Sempre fiel à expressão figurativa, nunca chegou a ser um acadêmico. Antes que isso pudesse acontecer, teve a graça de haver cruzado por Ado Malagoli, seu principal mestre e do qual é frequentemente apontado como sucessor. Justo elogio.

Aprendeu a lição modernista à qual se manteve fiel até o fim da carreira, em julho deste ano, quando morreu prematuramente de um câncer, aos 72 anos. Encontrou, como poucos artistas, um público fiel e pronto a disputar suas obras fartamente espalhadas pelas galerias de Porto Alegre. Embora premiado em importantes certames nacionais, não percorreu o tão ambicionado caminho das mostras institucionais, optando pelo mercado da arte, no qual foi localmente o principal ator de comprovado sucesso nas últimas duas décadas. Viveu exclusivamente de sua obra, como raros artistas conseguem.

Leia mais
Antonio Soriano inaugura exposição na Gravura Galeria de Arte
Em Canoas, exposição provoca a ver com os ouvidos e ouvir com os olhos

Pintou repetidamente a exuberante paisagem do imaginário da campanha, e aí quase sempre a mesma cena: o campo no primeiro plano, as montanhas esfumadas ao fundo e, no centro da imagem, uma pequena casinha perdida, esplendorosamente iluminada a ponto de saltar em volume aos olhos do mais desatento espectador.

Tudo isso permeado pelo melhor tratamento técnico e por inconfundíveis veladuras que conferia aos seus quadros de cunho regionalista. Esta a mágica de sua arte: o figurativo e o maravilhoso efeito luminoso por cores ora marcantes, ora diáfanas, repetindo na tela a generosidade do mistério da Natureza.

Este motivo foi o seu prato de resistência, por assim dizer. Mais apuradamente, em menos aparições, Soriano abordou com rara maestria a natureza-morta em quadros de alto valor estético, e, em menor escala, também a cena urbana, em geral para exposições pontuais sobre o tema.

Leia as últimas notícias

Artista inquieto, já nos últimos anos – e para o desespero de algumas galerias – passou a considerar a figura humana deformada, de um ponto de vista expressionista, fase que não encontrou uma resposta de mercado favorável e que talvez tenha sido o único momento em que – por um exercício livre de seu ofício, naquele instante sublime em que o artista transgride conceitos usualmente aclamados para produzir o que realmente sua alma grita – quase "traiu" um garantido séquito de admiradores.

Porém, ainda aí, manteve-se a fidelidade figurativa, produzindo trabalhos que, por sua franca pureza, quiçá fruto de suas origens (era um santo-angelense), assim logrou melhor fazer.

O encantamento que suscita de imediato a obra de Soriano é um fato cada vez mais raro no atual âmbito das artes onde predomina e triunfa o conceito do contemporâneo. E não só na arte, mas também na agitada vida cotidiana das redes sociais que aos poucos vem suprimindo o indispensável exercício humano da contemplação. Eis aqui um tema que inspira "austeros estudos", para usar as palavras de Baudelaire em seu poema A beleza.

Leia mais
Paulo Amaral inaugura a mostra Paisagens Modificadas na Gravura Galeria de Arte
Fotógrafa Fifi Tong apresenta no Margs mostra com retratos de famílias de imigrantes no Brasil

Trata-se, na verdade, de um corajoso o artista que hoje, a exemplo de Soriano, insiste na lição indispensável do desenho e do manejo das cores, prendendo-se à expressão figurativa e executando uma obra quase lúdica, que faz lembrar as primeiras manifestações nesta área, tão logo se ponha à disposição de uma criança a folha de papel e um estojo com lápis de cores; ela desenhará o campo, as montanhas, as árvores e uma casinha, quase sempre ingenuamente centrada sobre o suporte.

E sobre o céu azul colocará o sol poente, sem saber, em homenagem à sinfonia da paisagem.

Simples e terno assim, como em Antonio Soriano.

É sobre este saudoso ocaso que escrevemos.

ACERVO EM EXPOSIÇÃO

Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Vai até o dia 15 de outubro a exposição Acervo de Antonio Soriano, com curadoria de Nicholas Bublitz. A mostra reúne 20 obras dentre as 34 que compõem o acervo do artista na Galeria Bublitz (Avenida Neusa Goulart Brizola, 143, esquina com Vicente da Fontoura). A mostra inclui as paisagens características do autor e retratos de personalidades como Frida Kahlo e Edgar Allan Poe.

Visitação de segundas às sextas-feiras, das 9h às 19h, e aos sábados, das 10h às 16h.
Informações: (51) 3029-0109


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.