Operação For All

PF aponta sonegação de R$ 500 milhões por bandas de forró

Deflagrada nesta terça-feira, operação apreendeu R$ 600 mil em dinheiro vivo com alvos da investigação

Por: Estadão Conteúdo
18/10/2016 - 15h36min | Atualizada em 18/10/2016 - 15h40min

A Operação For All, da Polícia Federal, aponta para um volume de R$ 500 milhões que teria sido sonegado por empresas de entretenimento que patrocinam pelo menos quatro grandes bandas de forró que fazem sucesso no Ceará e na Paraíba. Deflagrada nesta terça-feira, a operação apreendeu R$ 600 mil em dinheiro vivo com alvos da investigação.

Os cantores Xand e Solange Almeida, da Aviões do Forró, foram conduzidos coercitivamente para depor na Superintendência da PF em Fortaleza. Aviões do Forró é agenciada pela A3 Entretenimentos.

Foto: Jackson Ciceri / Divulgação

Ao todo, 26 empresas do setor estão na mira da For All. A investigação revela que essas empresas que patrocinam as bandas subfaturavam contratos, registrando valores correspondentes a 25% e até 30% do que era de fato acertado. "A maior parte dos contratos é assim, o resto circula por fora, antes da banda subir ao palco", destacou a PF.

O dinheiro sonegado era usado para ampliação patrimonial dos envolvidos — compra de imóveis e veículos de luxo.

Leia mais
PF abre operação contra rombo de R$ 147 mi nos Correios
Preso ex-governador do Tocantins em operação que apura desvios de R$ 200 milhões
Suspeito de ligação com terrorismo é morto na cadeia

Um efetivo de 260 policiais federais e 30 auditores da Receita cumpriu 76 mandados judiciais — 32 de condução coercitiva e 44 de buscas. Não houve prisões.

A Operação For All já contabilizou omissão de rendimentos tributados de cerca de R$ 120 milhões entre 2012 a 2014. A PF e a Receita estimam que a sonegação de todas as empresas investigadas alcança R$ 500 milhões naquele período.

— A corrupção não existe só onde estamos acostumados a ver, na política em Brasília — disse um dos investigadores.

Segundo a PF, a Operação For All revela dois caminhos, 'um mundo oficial e um mundo clandestino, subterrâneo'.

As empresas de entretenimento firmavam contratos em que a parte formal representava em torno de 20% do que efetivamente circulava de dinheiro. "A grande parte de dinheiro circula em espécie, isso demonstra claramente a tentativa de se evadir da tributação", informou a PF.

Leia as últimas notícias

*Estadão Conteúdo

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.