Depois da bomba

De volta restaurado, "Hiroshima, Meu Amor" é um clássico sobre a construção da memória

Filme de Alain Resnais está em cartaz no Espaço Itaú, em Porto Alegre

10/03/2017 - 10h36min | Atualizada em 10/03/2017 - 10h36min
De volta restaurado, "Hiroshima, Meu Amor" é um clássico sobre a construção da memória Cocinor/Reprodução
Emmanuelle Riva e Eiji Okada são os protagonistas Foto: Cocinor / Reprodução  

Algo realmente importante acontecia no cinema francês em 1959. E não era o lançamento de Os Incompreendidos, de Truffaut, no Festival de Cannes daquele ano, nem as filmagens de Acossado, que Godard lançaria no ano seguinte – os dois filmes que constituem os mais notórios marcos iniciais da Nouvelle Vague.

A "outra revolução" em curso atendia pelo título de Hiroshima, Meu Amor. O longa de estreia de Alain Resnais (1922 – 2014), cineasta que já chamara a atenção com curtas como Noite e Neblina (1956), cumpriu carreira semelhante ao de Truffaut: teve première em Cannes, foi aclamado pela crítica e indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, além de inspirar gerações com suas imagens tristemente tocantes – as de Os Incompreendidos sobre a trajetória de um menino órfão; as de Hiroshima, Meu Amor sobre a paixão nos escombros da cidade japonesa destruída na II Guerra Mundial.

Todas as críticas e notícias de cinema em ZH

Em cartaz na série Clássica, que apresenta no Espaço Itaú cópias restauradas e digitalizadas de títulos históricos do século 20 (veja horários abaixo), o filme de Resnais narra o encontro de uma atriz francesa (Emmanuelle Riva) em viagem ao Japão com um arquiteto local (Eiji Okada). Eles passam apenas dois dias juntos, mas o roteiro, o primeiro assinado pela escritora Marguerite Duras (1914 – 1996), incorpora inúmeras lembranças, sobretudo dela, em flashbacks que se tornariam um marco ao sugerir o embaralhamento entre o presente e o passado – algo que o diretor aprofundaria no igualmente clássico O Ano Passado em Marienbad (1961).

Se este último é mais cerebral, Hiroshima é puro coração. É a memória afetiva que faz as lembranças surgirem a toda hora – e elas aparecem tão fortemente, para Ela e para Ele, como Resnais batizou seus personagens, que parece difícil definir o que é vivência pessoal e o que está impregnado no imaginário coletivo.

Em dado momento, por exemplo, Ela diz: "Eu vi tudo em Hiroshima". Ao que Ele rebate: "Você não viu nada em Hiroshima". Antes, no início da trama, Resnais havia apresentado ao espectador diversas imagens impactantes das ruínas nas quais se transformou a cidade devastada pela bomba atômica. É como se dissesse: "Todos viram Hiroshima".

Leia também:
"Estranhos no Paraíso" abriu a nova leva da série
"Blow-Up", de Antonioni, também foi exibido
"O Sétimo Selo" inaugurou o projeto Clássica em 2015

A realidade os perturba sob mais de um aspecto. Ambos são casados, o que carrega o affair entre os dois de uma sensação de escapismo que é paradoxal à ideia do encontro com o real. É a reconstrução do real na mente de cada um que interessa àquele que estava, a partir dali, tornando-se um mestre do cinema.

Há mais camadas neste que é um dos filmes mais sofisticados de seu tempo. Ela está em Hiroshima rodando um filme anti-belicista – tal qual o próprio Hiroshima, Meu Amor. Em outra sequência, a dupla caminha em meio a figurantes como se estivesse no próprio filme dentro do filme – evidência das intenções de Resnais, que, aproximando a realidade da sua representação, pôde moldar um dos mais belos e complexos tratados sobre a construção da memória.

A volta a esta obra-prima, em 2017, também serve como homenagem a Emmanuelle Riva, atriz que morreu no dia 27 de janeiro, aos 89 anos – menos de cinco após nova consagração, com Amor (2012), de Michael Haneke.

Hiroshima, Meu Amor
De Alain Resnais.
Com Emmanuelle Riva e Eiji Okada.
França/Japão, 1959, 90min.
Em cartaz na sessão das 13h20min, no Espaço Itaú 1, em Porto Alegre.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.