Humor na tela

"É tudo no instinto, na vontade", diz Paulinho Mixaria, que dirige seu próprio filme

Humorista filma seu segundo longa, Paulinho Mixaria - Morando com a Sogra, que deve ser lançado ainda em 2017. Direção, roteiro e edição são feitos pelo próprio Mixaria. 

Por: José Augusto Barros
17/03/2017 - 07h00min | Atualizada em 17/03/2017 - 12h22min
"É tudo no instinto, na vontade", diz Paulinho Mixaria, que dirige seu próprio filme Carol Augsten/Divulgação
Foto: Carol Augsten / Divulgação  

Muitas vezes problemática, a relação entre o genro e a sogra é o tema de Paulinho Mixaria - Morando com a Sogra, segundo longa-metragem do humorista gaúcho que será lançado até o fim do ano. Seu primeiro filme, As Aventuras de Paulinho Mixaria no Rincão Dos Loco Sorto, foi lançado em 2013 e tinha no elenco nomes conhecidos como Joca Martins e Gaúcho da Fronteira. Desta vez, no entanto, ele chamou uma turma de jovens atores da cena local.

— É uma galera nova, eu quis gente desconhecida. A exceção é o Cézar, da dupla (sertaneja paulista) com Paulinho. Mas ele só atua, não canta (risos) — anuncia Paulo Roberto Alves da Silva, o nome de batismo de Paulinho Mixaria, 47 anos.  

No novo longa, que está sendo rodado no interior de Gramado, o humorista trata de uma relação que gera dor de cabeça para muitos homens: com a sogra, que é interpretada pelo ator Carlos Alberto Klein,conhecido no meio humorístico por viver no teatro a idosa alemã Herta Klein.

— O filme gira em torno da relação com a sogra, pois o Mixaria está morando com a velha e com a esposa (risos). Tem muita piada, as tradicionais brigas e muitas situações engraçadas — adianta.

 14ª Festa Nacional do Chimarrão começa nesta quinta, em Venâncio Aires, com shows e boa gastronomia
Veja o prato de Natal que não pode faltar na ceia do Cris Pereira


Pelo próprio

Todos os processos que envolvem o filme - criação,roteiro e direção - foram feitos pelo humorista.

— É tudo no instinto, na vontade.  Me atraquei na peleia — diz ele, que revela as suas inspirações:

— Sempre fui muito fã de Charles Chaplin (1889 - 1977),vi todos os filmes dele, do Mazzaropi (1912 - 1981) e do Teixeirinha (1927- 1985). O Teixeirinha, por exemplo, fez filmes em uma época muito precária.

Para o segundo longa, Mixaria usou toda esta experiênciade ter assistido às obras dos ídolos. E elogia o legado dos mitos:

— Os filmes deles não são perecíveis. Suas obras seguem vivas até hoje.

O longa deve ser lançado, inicialmente, em DVD, para ser comercializado. O humorista não descarta, porém, inscrevê-lo em festivais  de cinema pelo  país afora. 

Leia mais sobre famosos e entretenimento

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.