Opinião

Carlos Gerbase: Primeiro encantar, depois alimentar a consciência 

Colunista escreve sobre a possibilidade de o cinema divertir e provocar reflexão ao mesmo tempo

13/04/2017 - 06h00min | Atualizada em 13/04/2017 - 06h00min

O cinema deve encantar e divertir as pessoas. De boas intenções e bons temas o inferno cinematográfico está cheio. Mas isso não impede que um filme, depois de cumprir sua função primária, sirva para que o espectador reflita sobre si mesmo e sobre o mundo que o cerca. 

A mostra de abril do Cine Santander Cultural é um painel do cinema contemporâneo ligado a temas sociais e ambientais. Também é uma aposta na conscientização de cada indivíduo – no caso, cada espectador – como primeiro passo para ações políticas em grupo. Se as grandes utopias de salvação coletiva estão moribundas, que pelo façamos as uniões estratégicas locais para enfrentar nossos dilemas cotidianos.

Leia mais
Carlos Gerbase: "Por que Yuval Harari é tão bom?"
Carlos Gerbase: As essências

A luta da AMACAIS (Associação Amigos do Cais Mauá) para fazer valer sua visão do futuro de Porto Alegre é um excelente exemplo de consciência cidadã e combativa. Voltando à mostra: são 15 longas, de 11 países diferentes, que olham o mundo sob pontos de vista não tradicionais e solicitam ao público que, além de sair da zona de conforto do consumismo capitalista sem limites, perceba que esse suposto conforto está acabando rápido, à medida que esgotamos insanamente, agora com a benção diabólica de Trump, todos os recursos disponíveis. 

Um desses filmes é o documentário islandês Inssaei: O Poder da Intuição, das diretoras Hrund Gunnsteinsdottir e Kristin Ólafsdóttir. Essas duas mulheres de nomes impronunciáveis fizeram um filme que todo mundo entende e que, caindo em terreno minimamente fértil, pode produzir uma nova perspectiva para a interpretação do mundo.

Insaaei defende que tanto a arte quanto a ciência precisam considerar a intuição humana como uma força prodigiosa e ainda subaproveitada. A ciência coloca a intuição como uma espécie de ponto de partida para o pensamento racional, enquanto a arte comumente a trata como inspiração irracional. 

Insaaei mostra que a intuição pode estar presente nas conclusões, e não nas hipóteses, das melhores pesquisas científicas, ao mesmo tempo que atravessa, mesmo que o artista não perceba, suas obras mais perenes. Assista aos filmes da mostra, acompanhe suas belas imagens e ouça vozes que não estamos acostumados a ouvir. Minha intuição diz que vale a pena.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.