Homenagem ao baiano

Camisa de Vênus faz show em Porto Alegre com repertório mais rock'n'roll de Raul Seixas

Show "Toca Raul", no Teatro do Bourbon Country, explora as músicas mais irônicas e provocativas da lenda do rock brasileiro

Por: Alexandre Lucchese
20/07/2017 - 15h55min | Atualizada em 20/07/2017 - 18h41min
Camisa de Vênus faz show em Porto Alegre com repertório mais rock'n'roll de Raul Seixas Carina Zaratin/Divulgação
Com o veterano Marcelo Nova no vocal, Camisa de Vênus é formando pelos músicos Robério Santana, Drake Nova, Leandro Dalle e Célio Glouster  Foto: Carina Zaratin / Divulgação  

Um antigo compositor baiano dizia que sua terra tem "festa de rua", "samba de roda", "Mãe Iemanjá e de outro lado o Senhor do Bom Fim". Faltou dizer que na Bahia também tem muito rock 'n' roll. É o que o Camisa de Vênus vem contar nesta sexta-feira (21), às 21h, no Teatro do Bourbon Country, em Porto Alegre, no show Toca Raul, que concilia o repertório de um dos maiores ícones do rock brasileiro com o estilo contundente e debochado da banda.

– Partimos da fusão entre o Raul Seixas e o Camisa. O show não tem Gîtâ, Tente Outra Vez ou A Maçã. É pau puro. É Raul em estado genuíno de rock 'n' roll – assegura o vocalista Marcelo Nova.

O repertório do grupo baiano explora as faixas mais irônicas e provocativas de seu conterrâneo Raul Seixas (1945 – 1989), como Rock do Diabo, Rock das Aranha, Não Fosse o Cabral, Cowboy Fora da Lei e Pastor João e a Igreja Invisível.

Leia mais
Vocalista do Linkin Park, Chester Bennington, é encontrado morto
Sucesso da MTV, Hermes e Renato apresenta peça em Porto Alegre pela primeira vez
Carlos Gerbase: O Camisa, o punk e Porto Alegre

Os caminhos de Marcelo Nova e Raul já se cruzaram muitas vezes desde os anos 1960, quando o futuro líder do Camisa, ainda adolescente, frequentava a primeira fila dos shows de Raulzito e os Panteras em Salvador. Mais tarde, ficaram amigos, fizeram apresentações juntos e gravaram em parceria o disco Panela do Diabo (1989), que ficou sem turnê por conta de um episódio trágico – a morte do Maluco Beleza, vítima de uma parada cardíaca, na véspera do lançamento do novo álbum.

Abalado com a perda do parceiro e ídolo, só em 2014 Marcelo Nova pensou em montar uma homenagem ao Panela do Diabo, comemorando então os 25 anos da gravação. O projeto, no entanto, foi interrompido pelo retorno do Camisa de Vênus, com quem voltou a excursionar ao lado de Robério Santana (baixo), Drake Nova (guitarra), Leandro Dalle (guitarra) e Célio Glouster (bateria). A trupe lançou no ano passado o álbum de inéditas Dançando na Lua (2016) e gravou um DVD em Porto Alegre, no Auditório Araujo Vianna, que deve chegar ao mercado até o final do ano.

– Quando começou 2017, pensei "tem que ser agora". Mas o Panela do Diabo era um álbum de Marcelo e Raul. O Camisa não participou. Então, resolvi fazer algo mais amplo, que fosse além das canções que fizemos em parceria – conta Marcelo.

Para o vocalista, o perfil contestatório das canções do homenageado segue atual nos dias de hoje:

– Raul tinha uma faceta sarcástica, irônica e combativa. Foi preciso que o tempo passasse para que isso fosse visto não como uma mania do artista, mas como uma característica fundamental de sua própria obra. 

CAMISA DE VÊNUS TOCA RAUL
Onde:
Teatro do Bourbon Country (Av. Túlio de Rose, 80).
Ingressos a R$ 80 (galeria), R$ 90 (mezanino), R$ 100 (plateia alta), R$ 110 (camarote) e R$ 120 (plateia baixa).
50% de desconto para sócios do Clube do Assinante RBS nos 100 primeiros ingressos e 10% de desconto para sócios nos demais ingressos.
À venda na bilheteria do Teatro do Bourbon Country, a partir das 10h, e no site ingressorapido.com.br, sujeito à taxa de conveniência.

Leia mais notícias de cultura e entretenimento

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.