É tarde demais

Com ingressos esgotados, Raça Negra se apresenta no Auditório Araújo Viana neste sábado

Com as redes sociais, grupo de pagode novo fôlego junto a uma nova geração

21/07/2017 - 11h29min | Atualizada em 21/07/2017 - 12h00min
Com ingressos esgotados, Raça Negra se apresenta no Auditório Araújo Viana neste sábado Divulgação/Divulgação
Fabinho César (pandeiro e violão), Luiz Carlos (vocalista), Fernando (tantan) e Fininho (bateria) Foto: Divulgação / Divulgação  

Para quem ainda pretendia assistir ao show do Raça Negra em Porto Alegre, neste sábado (22), veja só, que pena: os ingressos estão esgotados. Trilha sonora de bares, festas nostálgicas, churrascos e sofrências, o grupo de pagode se apresenta às 21h, no Auditório Araújo Vianna (Avenida Osvaldo Aranha, 685).

No show, o Raça Negra deve apresentar novidades. Em setembro, o grupo lança o DVD ao vivo Raça Negra & Amigos II, com a participação de nomes como Bruno & Marrone, Chitãozinho & Xororó, Eduardo Costa, Leonardo, Wesley Safadão e Zezé Di Camargo e Luciano. O primeiro single do novo registro, Dono do Seu Beijo, conta com a parceria de Xand, do Aviões do Forró. 

Leia mais
Confira os endereços do samba em Porto Alegre
Quem cantou isso: Raça Negra ou Guns N' Roses?
Gaúcho da Fronteira completa 70 anos: conheça a trajetória do músico

Porém, o Araújo Vianna deve sacolejar (ou chorar) com hits como É Tarde Demais, Jeito Felino, Quando te Encontrei e a clássica Cheia de Manias.

Nos últimos anos, o pagode romântico dos anos 1990 passou a ser reavivado em festas temáticas e celebrado nas redes sociais. Grupos como Molejo e o próprio Raça Negra ganharam novo fôlego junto a uma nova geração. Com o público que cresceu com ouvindo pagode, mesmo que por osmose, os hits da época atingem o imaginário emocional e funcionam como uma valorização à nostalgia.

– O pagode dos anos 1990 é lembrado com carinho porque existia uma identificação do público naquela época com nossas músicas, e acho que, por isso, elas permanecem até hoje, independentemente da idade. Além de o gênero ser mais popular e de ser tocado em rodas de amigos, acho que as pessoas acabam associando a momentos felizes, por isso ele está vivo – afirma o vocalista Luiz Carlos.

Por conta de suas letras românticas e refrãos chicletes, o Raça Negra tem suas canções constantemente lembradas em memes. Cheia de Manias é a faixa mais lembrada, muito por conta do verso "Então me ajude a segurar essa barra / Essa barra que é gostar de você" e da onomatopeia "didididiê". Devido ao sucesso na web, a música vai ser regravada em inglês e espanhol, segundo anunciou Luiz Carlos. Escrita nos anos 1970 e lançada em 1992, no terceiro disco do grupo, Cheia de Manias segue ativa no imaginário popular em 2017.

– Eu gostava de uma menina que era toda cheia de manias, um pouco metida, daquelas que tinha dias que cumprimentava e dias que não. Na época, não imaginava que a música fosse fazer sucesso, tanto que só fui gravá-la no nosso terceiro disco após o incentivo do nosso produtor. Hoje nós não podemos de jeito nenhum deixá-la de fora do nosso repertório – conta o vocalista.

Além da geração Twitter e Facebook, o Raça Negra sempre contou com os fãs à moda antiga.

– Tem um que até hoje nos acompanha quando passamos na cidade dele, e ainda leva o pai, que agora está na cadeira de rodas. Ele diz que escuta nossas músicas desde pequeno porque seu pai é muito fã e esse sentimento foi passado de geração para geração. Essa é uma característica do Raça Negra. É sempre muito gratificante ouvir esses relatos, nós ficamos emocionados ao saber que temos um público fiel que guarda boas histórias relacionadas ao nosso grupo e às nossas músicas – destaca Luiz Carlos.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.