Tem graça

Luísa Arraes e Drica Moraes fazem valer a pena ver "A Fórmula"

Nova produção da Globo conta história de cientista que descobre fórmula para ficar com aparência de 20 anos por algumas horas

07/07/2017 - 17h48min | Atualizada em 07/07/2017 - 18h13min
Luísa Arraes e Drica Moraes fazem valer a pena ver "A Fórmula" Paulo Belote / Globo/ Divulgação/Globo/ Divulgação
Luísa e Drica interpretam Angélica aos 20 e 50 anos, respectivamente Foto: Paulo Belote / Globo/ Divulgação / Globo/ Divulgação  

À primeira vista, parecia que A Fórmula, série que estreou na quinta-feira à noite na RBS TV, traria mais do mesmo no gênero. De certa forma, toda comédia romântica se parece. No entanto, a produção tem um grande trunfo: a sintonia de Luísa Arraes e Drica Moraes. As duas atrizes vivem Angélica, a cientista que encontra uma fórmula da juventude que a deixa com a aparência de 20 anos por algumas horas. Forma de falar, trejeitos, maneira de caminhar. Tudo nelas está absolutamente semelhante.

Leia mais:
"A Fórmula" questiona passagem do tempo com triângulo amoroso inusitado
Versão original do "Sítio do Picapau Amarelo" pode ser vista no Globo Play 
"Segredos de Justiça": série com Glória Pires tem tudo para ser uma "Law&Order" brasileira

E a trama consegue ser engraçada, mesmo que seja tudo aquilo que já se esperava. Angélica quer se vingar do ex-namorado Ricardo (Fábio Assunção), que a abandonou na juventude para desfrutar de uma bolsa de pesquisa em Harvard. Os dois se reencontram passados 30 anos da separação. Agora, ele é um rico e famoso empresário do ramo de cosméticos. Já ela tenta emplacar suas pesquisas com algum investidor. Quis o destino que Ricardo virasse chefe de Angélica. Antes deles descobrirem isso, ela testou em si mesma sua nova fórmula e voltou a ficar com a aparência jovem. Sem saber, Ricardo encontrou com Angélica, mas pensou que fosse outra pessoa muito parecida com ela. E se apaixonou.

Nem mesmo o tom caricato e canastrão que Fábio dá ao seu personagem consegue tirar a graça da série. A trama é bobinha sim, mas consegue nos fazer rir. É uma produção leve para encerrar bem a quinta-feira.

Audiência em alta
A Globo teve o melhor semestre dos últimos cinco anos e foi a única entre as TVs abertas a registrar crescimento de audiência em comparação com o mesmo período do ano passado. A média de 24 horas (das 6h às 5h59min) da emissora no acumulado de janeiro a junho foi de 14 pontos, com 39% de participação no Painel Nacional de Televisão (PNT), um crescimento de mais um ponto (8%) em relação aos primeiros seis meses de 2016. Foi a melhor performance do canal desde 2012.

Time global
Manoel Soares retoma o comando do Encontro a partir de segunda-feira. No período de férias de Fátima Bernandes, ele vai apresentar o programa junto com Ana Furtado e Lair Renó. Rosto conhecido do público gaúcho por sua atuação de mais de 15 anos na RBS TV, o repórter está no time fixo da atração global desde abril e no mês passado já havia estreado na apresentação em substituição à jornalista.

Melhor da semana
Roberto D'Ávila fez uma pertinente entrevista com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot na última quarta, na GloboNews. Vale recuperar no Globosat Play, se você perdeu.

Pior da semana
Nada justifica confinar cem pessoas numa casa projetada para apenas quatro. E esse é o mote do reality show A Casa, da Record. Já teve desmaio e briga. E deve ter mais.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.