Teatro

Rosamaria Murtinho e Leticia Spiller falam sobre a peça "Dorotéia", que chega a Porto Alegre

Montagem de texto de Nelson Rodrigues terá sessões no Theatro São Pedro desta sexta a domingo

Por: Fábio Prikladnicki
19/07/2017 - 18h00min | Atualizada em 19/07/2017 - 18h00min
Rosamaria Murtinho e Leticia Spiller falam sobre a peça "Dorotéia", que chega a Porto Alegre Carol Beiriz/Divulgação
Rosamaria (E) vive Dona Flávia, uma das três primas que abrigam Dorotéia, interpretada por Leticia Foto: Carol Beiriz / Divulgação  

Rosamaria Murtinho aceitou o desafio de comemorar seus 60 anos de carreira com um espetáculo no qual está fisicamente irreconhecível. Para viver a Dona Flávia de Dorotéia, montagem com sessões desta sexta (21/7) a domingo (23/7) no Theatro São Pedro, em Porto Alegre, a atriz é submetida a um demorado processo de maquiagem para ficar... bem, para ficar feia. Rosamaria admite que foi ela mesma quem pediu. Depois de aprovar o trabalho do diretor Jorge Farjalla ao assistir ao espetáculo Paraíso AGORA! Ou Prata Palomares, ligou para convidá-lo para dirigir seu próximo projeto: "Quero que você me desconstrua".

Leia todas as notícias de Espetáculos

Foi então que Farjalla sugeriu Dorotéia, de Nelson Rodrigues, ideia que Rosamaria estranhou por julgar não ter mais idade para interpretar a personagem-título. Tudo ficou certo quando concluiu que a protagonista da peça é Dona Flávia, a mais velha de três viúvas que moram em uma casa fechada para homens há 20 anos. Sequer há quartos, pois elas se recusam a dormir com medo de sonhar. Para conferir ainda mais veracidade à caracterização, Rosamaria deixou crescer fios brancos no cabelo.

– Não dá pra fazer Nelson de peruca – garante. – Eu pareceria uma bruxa de teatro infantil, com todo respeito ao teatro infantil. Queria fazer da forma mais fiel possível. Eu me enfeio mesmo.

Uma vez decidido seu papel, o próximo desafio foi encontrar uma competente atriz para interpretar Dorotéia, uma linda jovem que deixou a profissão de prostituta e agora busca abrigo na casa das primas beatas, tendo de se submeter a uma condição: tornar-se feia como elas. Bárbara Paz e Bruna Linzmeyer foram cogitadas, mas quem levou foi Leticia Spiller, que atualmente pode ser vista na supersérie Os Dias Eram Assim, na Globo. A parceria entre Rosamaria e Leticia tornou-se um dos trunfos da produção, como garante a intérprete de Dorotéia:

– Fico impressionada com a força da Rosa, com a garra que ela tem e com a disponibilidade de ser desconstruída e não se acomodar na personagem. Fazer o que ela faz no palco é impressionante.

Rosamaria, de sua parte, retribui o elogio:

– Quando a Leticia leu o texto, pensei: "Tem que ser ela". Ficou uma parceria muito boa.

Para as duas atrizes, peça ainda é atual

Também estão no elenco Alexia Dechamps, Dida Camero, Jaqueline Farias e Maureen Miranda. A montagem conta ainda com um coro masculino que não está presente na peça de Nelson e executa a trilha sonora e a sonoplastia ao vivo: Daniel Martins, Du Machado, Fernando Gajo, Neco Yaros, Pablo Vares e Samuel Melo. Os "homens-jarro", como foram designados pelo diretor, simbolizam os sujeitos que passaram pela vida de Dorotéia. O jarro remete ao utensílio que as prostitutas usavam para se lavar depois do sexo. Para Leticia, o tema da repressão ainda é atual:

– A falta de amor gera tragédia. Reprimir um desejo puro e genuíno pode levar à doença. Nos dias de hoje, ainda vemos isso acontecer muito: preconceito, repressão. Não acho isso sadio.

Rosamaria aponta outros aspectos que garantem a permanência do texto:

– Na verdade, a peça é atual porque fala sobre hipocrisia, mentira, enganação. É tudo que vemos na política agora.

A experiente atriz considera Nelson Rodrigues "o maior autor brasileiro", atribuindo-lhe uma complexidade maior do que os rótulos que se tentou colar nele:

– Era uma pessoa contraditória. Era tido como conservador, mas foi preso como comunista. Quando eu era estudante, assisti a uma montagem de Senhora dos Afogados. Metade do teatro vaiava, e a outra metade aplaudia.

Já Leticia lembra que seu primeiro contato com o texto de Dorotéia, quando era mais jovem, decepcionou. Foi preciso submetê-lo a um verdadeiro escrutínio para extrair suas qualidades:

– Para mim, foram necessárias várias leituras para poder compreendê-lo realmente. Ainda tem coisas que descubro fazendo o espetáculo.

Agora, Rosamaria tem o desejo de participar de montagens de peças de Tchékhov e Shakespeare, enquanto Leticia escreveu um dos livros da coleção infantil Genoma, da editora DVS, pela qual planeja lançar também um livro de poemas. Leticia coproduziu e estrelou o longa-metragem Eu Sou Brasileiro, do diretor e roteirista Alessandro Barros, ainda sem previsão de lançamento, e vai produzir e estrelar Clube da Saudade, de Paulo Vespúcio Garcia, em fase de captação.

DOROTÉIA
Nesta sexta
(21/7) e sábado (22/7), às 21h, e domingo (23/7), às 18h.
Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/nº), fone (51) 3227-5100, em Porto Alegre.
Ingressos: R$ 50 (galerias), R$ 80 (camarote lateral), R$ 90 (camarote central) e R$ 100 (plateia e cadeira extra).
Desconto de 50% para sócio do Clube do Assinante e um acompanhante.
À venda na bilheteria do teatro até sexta, das 13h às 18h30min ou até o horário de início do espetáculo, e sábado e domingo, das 15h até o horário de início do espetáculo. Venda online (com taxa): vendas.teatrosaopedro.com.br.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.