Pampianas

Shana Müller: Ressignificar para permanecer

Colunista fala da importância de o artista enfrentar padrões estabelecidos para marcar a história — ainda que seja criticado

10/07/2017 - 14h00min | Atualizada em 10/07/2017 - 14h00min
Shana Müller: Ressignificar para permanecer Banco de Dados/Agencia RBS
Em 1985, Jerônimo Jardim vence o Califórnia Da Canção com Astro Haragano, derrotando a vanera Gaita de Botão, o que gerou protesto do público Foto: Banco de Dados / Agencia RBS  

Sempre disse ao amigo Jerônimo Jardim que era bom receber uma vaia como aquela dele na Califórnia da Canção quando venceu com Astro Haragano. Prever a passagem do cometa Harley em plena fronteira de Uruguaiana com um arranjo cheio de sonoridades eletrônicas e ainda ganhar! 

Jerônimo saiu pelos fundos do palco, mas entrou pra história. Mostrou que havia mais no que se compunha no Rio Grande. Falei nele e lembrei da Elis. Num documentário sobre sua vida fala sobre a hostilização de muitos gaúchos quando foi para o Rio de Janeiro tentar a vida de cantora, afinal contrariando as expectativas de muitos, não estava vestida de prenda. Entrou para a história como a maior cantora brasileira.

Leia mais
Shana Müller: No contexto do Pateta!
Shana Müller: Mulher que toma mate no galpão
Shana Müller: Um grito de amor à terra

Há alguns dias completou 70 anos o Gaúcho da Fronteira. Lembro como se fosse hoje dele no Xou da Xuxa cantando o Vanerão Sambado, uma mistura do vanerão, conhecido por muitos como samba gaúcho, com o samba brasileiro, daquelas que realmente dá vontade de sair dançando. Gaúcho gravou com banda de rock e falou do rock em Rock Bagual. Na época, claro, sofreu represálias dos que se consideram proprietários da identidade gaúcha. Não pôde tocar aqui e ali, mas ganhou o Brasil levando a identidade no nome, na gaita, no jeito irreverente e inconfundível de homem da fronteira.

O Luiz Carlos Borges, lá no tempo do conjunto com seus irmãos, trouxe aquele ritmo diferente que ouvia no rádio e começou a tocá-lo nos bailes. O contratante dizia que contratava o conjunto mas que não deixassem o pequeno Borges tocar o tal ritmo diferente. Ele mesclava com outros e, sem perceberem, foi espalhando o chamamé no fandango gaúcho. Hoje fica difícil pensar num baile sem um bom chamamé para dançar! 

Como entender a música do Rio Grande sem figuras como o Gaúcho da Fronteira? E Elis Regina? Sim, a maior cantora de todos os tempos na música brasileira e uma das mais reconhecidas no cenário internacional nasceu aqui e com ela levou compositores como o citado Jerônimo Jardim. E a Califórnia da Canção, quantas músicas deixariam de surgir se o festival não entendesse que há muitas formas de compor uma música regional? Ainda que o cometa não tenha cruzado o céu da fronteira naquela noite, o Astro Haragano transformou-se numa bandeira da diversidade regional, nativa e dos festivais. 

Quantos eventos do gênero surgiram para abrir espaço para outro tipo de composição e quantos compositores apareceram? Com vaia ou sem vaia, com aplauso ou sem, com entendimento ou desdém, não importa. A arte e o artista precisam causar algum tipo de reação. O que se percebe é que ninguém marcou seu nome na história fazendo mais do mesmo, sendo comum, sendo conivente com padrões estabelecidos. Há que se transformar, ressignificar para permanecer!

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.