Final

VÍDEO: concentrada na Lancheria do Zé, em Eldorado do Sul, torcida comemora vitória de Emilly no "BBB"

Restaurante ao lado da casa da sister se transformou em QG de familiares que não foram ao Rio de Janeiro e amigos da sister

13/04/2017 - 23h30min | Atualizada em 14/04/2017 - 12h27min

Parte do R$ 1,5 milhão que Emilly ganhou nesta quinta deve ir para o Zé, que inevitavelmente vai ter que repor o estoque de cerveja de sua Lancheria, já que a noite desta quinta foi das mais animadas no restaurante que a torcida de Emilly escolheu como quartel-general em Eldorado do Sul. 

O bolicho, levantado a menos de uma quadra da casa da vencedora do BBB 17 na cidade da Grande Porto Alegre, ganhou a companhia de um caminhão de som e de um telão no dia da final do reality, tudo para assistir à vitória da nova milionária da região. Assim que Tiago Leifert anunciou a vitória do "coração", símbolo que usou para representar Emilly, as centenas de pessoas que se reuniam em frente ao bar saltaram metros do chão e urraram como se estivessem no Projac.

— É muita emoção, muita emoção — desabou Marlene de Araújo, dinda de Emilly, uma das tantas pessoas que foi alçada ao ar como o treinador de uma equipe campeã e simplesmente não conseguia fazer parar o choro: — Só o que eu quero agora é dar um abraço apertado nela — resumiu, num misto de alegria e alívio, afinal, não foi fácil a trajetória da guria de 20 anos no programa.

Leia mais:
"BBB 17": com 58% dos votos, gaúcha Emilly é a vencedora do reality e leva R$ 1,5 milhão
Assédio de José Mayer ganha destaque na imprensa internacional: "Vitória contra o machismo"

Antes da final, todo mundo votando no celular

Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Antes de o programa começar, era difícil achar alguém para dar entrevista: não havia ali ninguém sem o celular na mão, no site do BBB, com o dedo clicando na fotinho da parente ou amiga – na outra mão, batatas fritas e cervejas.

Em frente ao restaurante — um típico restaurante de interior, que acaba servindo de bar durante a noite —, a torcida instalou um caminhão de som com telão, patrocínio da empresa em que uma das primas de Emilly. Entre vídeos feitos por fãs da competidora ("ela tem fãs desde a época em que namorava com o Juliano (da dupla sertaneja com Henrique)", diz outra familiar), quem comandava as imagens de tempo em tempo disparava vídeos de celebridades declarando apoio à gaúcha: Valesca Popozuda, Nicole Bahls e Nego do Borel apareceram em vídeos gravados com o celular ao lado de ex-BBBs como Kleber Bambam e Fani (no caso destes, o apoio sempre veio justificado com algo como "ela foi a mais verdadeira no jogo").

— Eu já queria que tivesse acabado, está sendo um sofrimento muito longo — desabafou Marlene, já com o programa no ar, num misto de empolgação, nervosismo, ansiedade e, de fato, alívio, enquanto a final não começava: — Mas agora estamos em mobilização total, não conseguimos dormir desde ontem.

Entre os assuntos com os torcedores, havia os mais delicados: a morte da mãe poucos dias antes da entrada das gêmeas no programa e as agressões de Marcos, o affair da sister na casa. A vitória de Emilly, no entanto, era uma certeza entre os presentes. Os indícios vão desde pesquisas prévias a perfis fakes — e pouco confiáveis — que liberam o percentual das votações antecipadamente, até a personalidade da finalista:

— Conheço ela desde bebê... Desde a barriga da mãe, para te falar a verdade — recordou o tal Zé, dono do bar transformado em QG pela torcida de Emilly: — Ela e a irmã sempre foram muito bem criadas pelos pais, vinham aqui comprar merenda, brincavam na rua do lado. Ela é uma guria muito boa, merece demais o prêmio — empolga-se o bolicheiro, vestindo uma camiseta estampada com o rosto da guria de 20 anos que viu nascer, enquanto serve um pastel para o próximo cliente.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.