De olho no futuro

Rússia quer ter estrutura pronta um ano antes da Copa de 2018

Representante do comitê organizador do próximo Mundial destaca legado "humano" para o país

Rússia quer ter estrutura pronta um ano antes da Copa de 2018 Divulgação/
Foto: Divulgação

A Rússia, sede da Copa de 2018, já trabalha duro para ter a sua estrutura pronta um ano antes do torneio. Dois estádios, em Sochi e Kazan, estão prontos. A arena do Spartak será inaugurada no próximo dia cinco de setembro. A promessa dos organizadores é que até 2017, na Copa das Confederações, todos os 12 estádios nas 11 sedes serão entregues.

Leia todas as notícias da Copa do Mundo de 2014
Confira como foram todos os jogos do Mundial

Com orçamento previsto de US$ 20 bilhões (50% verba federal e 50% de recursos privados), o objetivo é expandir a rede de trens de alta velocidade para ligar as cidades. As distâncias são consideráveis, seis das sedes estão localizadas a mais de mil quilômetros de distância de Moscou. Sochi, que recebeu este ano os Jogos Olímpicos de Inverno, está a 1.679km da capital.

Confira as sedes da Copa de 2018 na Rússia:



Para amenizar o impacto dos deslocamentos, será feita uma divisão em quatro regiões geográficas. Cada sede receberá no mínimo quatro e no máximo seis jogos. A primeira partida e a final acontecerão no estádio Luzhniki, que recebeu as cerimônias de abertura e encerramento da Olimpíada de 1980, e que agora está sendo reformado.

Para que tudo funcione bem, uma delegação russa veio ao Brasil observar todos os detalhes da Copa de 2014. No Rio, a casa da Rússia foi montada no Museu de Arte Moderna, no Aterro do Flamengo. O CEO do Comitê Organizador 2018, Alexey Sorokin, falou a ZH sobre os preparativos. Confira:

O Brasil sofreu com atraso nas obras da Copa, mas no fim deu tudo certo. Na Rússia as obras estão dentro do prazo?

Já temos prontos dois estádios. Aeroportos, ônibus, rodovias e trens tem boas condições e vamos melhorar e construir novos. Vai ficar tudo pronto antes, não tenho nenhuma dúvida.

Há casos recentes de racismo em estádios da Rússia. O Zenit teve problemas com isso. Como vocês vão lidar com esta situação?

Criamos um programa para acabar com o racismo nas arenas. Não vamos tolerar comportamentos inadequados. A Copa de 2018 será inclusiva e não discriminatória. Quem errar, será banido dos estádios. Estamos muito empenhados nisso.

No Brasil se discutiu muito a questão do legado. O que vai ficar para o país depois de 2018?

Teremos aquele legado que dá para ver e tocar, como estádios, aeroportos, estradas e trens. Mas vamos trabalhar muito para ter o legado humano. Queremos deixar esta marca. O presidente Vladimir Putin será um grande anfitrião, assim como foi em Sochi.

Vocês temem risco de protestos?

Temos índices de aprovação superiores a 70%. Quem for para a Rússia não vai se arrepender. Cidades lindas, um povo receptivo. Estamos trabalhando para aumentar o numero de pessoas que falam inglês. Vai ser inesquecível.

Em relação a preços de hotéis, passagens e deslocamentos. Será uma Copa cara para os turistas?

Nada diferente dos últimos mundiais. No Brasil também não foi barato. Ficará na média de todas as Copas.

O desempenho da Rússia nesta Copa foi fraco (caiu na primeira fase). Isso preocupa?

Não é minha área, mas confio muito no Fabio Capello. Temos bons valores. Acho que em 2018 será diferente. Todos esperam uma grande campanha.

Baixe o aplicativo Além do Campo, da Liga dos Fanáticos, e siga as seleções da Copa.

Android

iOS

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.