Palavra do árbitro

Jean Pierre Lima sobre semifinal: "Mesma responsabilidade da primeira rodada"

Árbitro de Novo Hamburgo x Grêmio entende importância da partida de domingo, mas vê mesmo peso para a arbitragem de outros jogos

21/04/2017 - 13h30min | Atualizada em 21/04/2017 - 13h30min
Jean Pierre Lima sobre semifinal: "Mesma responsabilidade da primeira rodada" Juan Barbosa/Agencia RBS
Foto: Juan Barbosa / Agencia RBS  

O peso de uma semifinal não altera a forma como Jean Pierre de Lima se prepara para um jogo. Apontado como árbitro para o jogo de volta entre Novo Hamburgo e Grêmio, ele avalia que a responsabilidade deve ser a mesma de um jogo da primeira rodada do campeonato.

Em entrevista por telefone a Zero Hora, Jean Pierre avaliou de forma positiva o seu rendimento ao longo do Gauchão, contou como funciona a preparação para os jogos e disse que não há diferença de pressão pelo fato de o Grêmio ter usado reservas na Libertadores para valorizar o Gauchão.

Leia mais:

Diori Vasconcelos: arbitragem fica em boas mãos com Jean Pierre e Daniel Bins
Colunistas opinam: terá Gre-Nal na final do Gauchão?
Bombeiros não aprovam arquibancadas móveis no Vale

Qual é o tamanho da responsabilidade na semifinal?
É a responsabilidade que temos durante todo o campeonato. Sabemos o que significa essa semifinal para as duas equipes, mas é a mesma responsabilidade da primeira rodada. Sabemos como foi o Gaúcho, a dificuldade que foi. Então, nossa responsabilidade é fazer um bom trabalho e passar despercebido.

O Grêmio poupou titulares na Libertadores para jogar o Gauchão. Isso faz com que o clube e tudo que o cerca estejam ainda mais atentos. Faz alguma diferença?
Não. Sempre se fala da instituição, da camisa, independentemente de quem a vista. Sabemos da força que tem. Mas é a pressão normal, não por ser Grêmio ou Novo Hamburgo, mas pela arbitragem.

Você faz algum tipo de preparo específico para o jogo, como estudar o perfil dos atletas?
Sim, cada jogo a gente tem um planejamento. Me reúno com assistentes e com o quarto árbitro, fazemos um planejamento prévio. A gente sabe como as equipes vêm jogando, as características dos atletas. Isso é importante para não sermos surpreendidos. Quanto menos surpresas tivermos, maior a chance de uma boa arbitragem.

Os trios de arbitragem aqui não são fixos entre os jogos. Como fica a questão da comunicação entre vocês?
Na verdade, a gente já está acostumado a trabalhar com os gaúchos. A gente trabalha em vários jogos com o mesmo assistente, apesar de não ser fixo. Por exemplo, os dois assistentes deste jogo, eu já trabalhei com eles. Já temos um certo costume. Trabalhando com assistentes do mesmo estado, a questão da comunicação é boa.

Como você avalia o seu desempenho ao longo do Gauchão?
Eu acho que venho numa crescente. Venho fazendo boas partidas, sempre em jogos decisivos. Fiz jogos em que uma equipe caía, outra se classificava, entre equipes que têm histórico de reclamação, ou que no jogo anterior havia tido alguma disputa acirrada. Venho fazendo um bom trabalho. Este Gauchão, venho numa crescente desde o primeiro jogo. A avaliação é de poder terminar o campeonato assim como eu comecei.

*ZHESPORTES

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.