Dupla promissora

Ex-técnico de Zé Roberto, Candinho projeta parceria do meia com Kleber: "Vai deixá-lo na cara do gol como poucos"

Treinador foi o responsável por escalar o jogador da lateral para a meia: "Era um pecado colocar ele na lateral"

07/05/2012 | 11h40
Ex-técnico de Zé Roberto, Candinho projeta parceria do meia com Kleber: "Vai deixá-lo na cara do gol como poucos" Paulo Franken, Banco de Dados/
Candinho era o treinador da Portuguesa em 1996, time em que Zé Roberto foi vice-campeão brasileiro Foto: Paulo Franken, Banco de Dados

O bate-papo tinha de ser rápido pois o carro estacionado em uma zona movimentada de São Paulo e havia a chance de receber uma multa. Mas bastou dizer a primeira frase e citar o nome Zé Roberto para que Candinho deixasse de lado a possibilidade da infração e começasse a derreter-se em elogios ao ex-comandado.

LEIA MAIS:
Bate-papo com Zé Roberto: "Imagina agora eu fazer um gol e ver a avalanche descendo"
Zé Roberto cogita de encerrar carreira no Grêmio e exalta projeto da Arena: "Será a Bombonera do Brasil"

— Você deve saber que o Grêmio contratou o Zé Roberto. Queria conversar com você sobre o tempo em que ele atuou contigo na Portuguesa — perguntei.

— Jogador nota 10, um cara direito, correto, joga muito. Um jogador que eu gostaria de ter, canhoto rápido, fininho, magro. Não se machuca, não tem histórico de lesões. O Grêmio fez um grande contratação — destacou.

Candinho era o treinador da Portuguesa em 1996. Tinha no grupo um lateral-esquerdo habilidoso, que entrava fácil pelo meio e acabava deixando os companheiros na cara do gol com uma qualidade ímpar no time paulista. Na turma que tinha Capitão e Rodrigo Fabri (que depois vieram a atuar pelo mesmo Grêmio) e Clemer — ídolo do rival Inter —, Zé Roberto despontava como um promissor articulador. Candinho não pensou duas vezes:

— Pela qualidade que ele tinha era um pecado colocá-lo na lateral. Chegava de trás com uma facilidade incrível, muita qualidade. Daí passei ele para a meia. Fico feliz, pois, na meia, na Alemanha, ele foi astro — resumiu Candinho.

E a mudança não precisou de conversa. Segundo Candinho, Zé Roberto preferia o meio-campo em lugar da lateral. Com a 10 que acompanha os grandes da história da bola, começou a carreira na escolinha Os Pequeninos do Jóquei.

— Nem precisou de conversa. Ele sabia que apareceria mais no meio-campo. A Portuguesa que precisava de lateral. Ele foi para o meio naturalmente.

— Quero ver ele jogando com o Kleber. Vai deixá-lo na cara do gol como poucos deixaram — concluiu Candinho, pedindo para encerrar a conversa.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.