Drible na Justiça

O pula-catraca: como o infrator invadiu a Arena em jogo da Libertadores

Proibido de entrar no estádio, Molejo deveria se apresentar à polícia na hora dos jogos

19/03/2013 | 21h35
O pula-catraca: como o infrator invadiu a Arena em jogo da Libertadores Reprodução/
Paulo Roberto Rodrigues Oliveira, o Molejo, pulou a catraca da Arena na partida contra a LDU Foto: Reprodução

– Tem gente pulando catraca! – anunciou o major Mário Augusto ao receber a notícia pelo rádio.

Ele comandava um pelotão de 20 PMs dentro da Arena, e ainda faltava uma hora para o Grêmio entrar em campo para encarar a LDU, pela Libertadores, naquela noite de quinta-feira, 31 de janeiro. Não demorou muito para uma pancadaria começar nas arquibancadas, onde integrantes da torcida Geral começavam a se instalar. Foi quando o major recebeu outra mensagem no rádio - o interlocutor também era um PM, sentado em uma sala restrita do estádio, observando as câmeras de vigilância que registravam o tumulto.

– Um dos caras que pularam a catraca está no meio da briga – disse o homem da salinha. – Aliás, ele é um dos proibidos de entrar no estádio, nem poderia estar aqui.

Era Paulo Roberto Rodrigues Oliveira, o Molejo, protagonista da imagem publicada nesta quarta na capa de Zero Hora. Assim como outros 30 torcedores envolvidos em um tumulto na semana anterior, Molejo deveria se apresentar à polícia sempre que o Grêmio jogasse em Porto Alegre. Mas, não contente em desrespeitar a ordem da Justiça, ele ainda invadiu a Arena por cima da roleta. E já se meteu a brigar de novo.

O pelotão do major Mário Augusto, situado à beira do gramado, avançou unido em direção à baderna. Quando os 20 PMs se aproximaram, conforme conta o soldado Júnior Paiva, Molejo agarrou a mão da namorada (por mais estranho que possa parecer a namorada estar por ali) e virou as costas. Saiu caminhando tranquilamente, subindo as arquibancadas. Já com as algemas na mão, perto das lancherias, o soldado Paiva o abordou:

– O senhor está preso e sabe por quê.

– Desculpa, não deveria ter vindo. Me dá uma força – teria dito Molejo, de acordo com o soldado.

Sem chance. A namorada ficou para trás, já o PM e o infrator se encaminharam ao posto do Juizado Especial Criminal (Jecrim) situado dentro da Arena. Havia muita gente no Jecrim, e até encaminhar toda a papelada, só no final do jogo eles sairiam de lá. Enquanto isso, no gramado, Elano marcava o gol do Grêmio contra a LDU - e o alambrado do setor da Geral desabava com a avalanche, ferindo oito torcedores.

Jogo encerrado, Grêmio classificado, o soldado Paiva enfim conseguia uma viatura para encaminhar Molejo à delegacia, onde seria lavrado o flagrante por desobediência. De novo, muita gente na fila. Passava das três da manhã quando o delegado de plantão — que ZH não conseguiu localizar — atendeu à ocorrência. O flagrante, segundo Paiva, não foi registrado por opção do delegado.

Molejo foi liberado e, ainda de acordo com o soldado, tomou um táxi da delegacia e retornou à Arena para buscar seu carro. Nesta terça, ZH tentou ouvi-lo, mas ele evitou falar. Já Paiva, naquele dia, retornou ao quartel para largar seus equipamentos. O soldado teria apenas três horas para dormir: um plantão de 24 horas começaria dali a pouco, às oito da manhã.

Leia mais:
Promotor, sobre torcedores que descumprem ordem judicial: "A prisão preventiva pode ser decretada"

Dos 31 gremistas proibidos de frequentar estádios, 27 ignoram ordem judicial

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.