Mistério na estreia

Renato fechará portões para definir seu primeiro Grêmio de 2016 

Em 2013, ao optar por um modelo mais defensivo, técnico levou o time ao vice-campeonato brasileiro. Era o time que jogava por uma bola  

Por: Luís Henrique Benfica
20/09/2016 - 06h06min | Atualizada em 20/09/2016 - 06h06min
Renato fechará portões para definir seu primeiro Grêmio de 2016  André Ávila/Agencia RBS
Foto: André Ávila / Agencia RBS

Será com os portões da Arena fechados que Renato Portaluppi montará nesta terça-feira o primeiro Grêmio de sua terceira passagem pelo clube como treinador — as anteriores foram em 2010 e 2013.

A exitosa experiência com três volantes em 2013, ano em que a equipe, sob seu comando, terminou como vice-campeã brasileira, não está descartada. Na entrevista de apresentação, ele defendeu esse esquema. Deixou claro que um técnico precisa se moldar às necessidades da competição e ao grupo que tem em mãos.

— Eu era criticado por escalar três volantes. Mas equipes com quatro, cinco atacantes, não chegaram nem perto dos resultados que o Grêmio conseguiu —lembrou Renato.

Leia mais:
Renato é apresentado e afirma: "O Grêmio tem um bom grupo"
Sorteio dos confrontos das quartas de final da Copa do Brasil será nesta sexta-feira
Reunião-almoço marca primeiro dia de Renato no Grêmio

Uma alternativa é a formação de um losango no meio, tendo Walace mais recuado, Maicon e Jailson (ou Ramiro) pelos lados e Douglas como meia mais avançado. No ataque, Luan pode ganhar a companhia de Batista ou de Henrique Almeida.

Foi a partir da decisão de tornar a equipe mais fechada que Renato passou a obter os melhores resultados em 2013. Ao perceber as fragilidades defensivas de seu time, ele apostou, em algumas partidas, até mesmo em um modelo com três zagueiros e três volantes.

Nessas ocasiões, o time-base contava com Dida; Rodholdo, Bressan e Werley; Pará, Souza, Riveros, Ramiro e Alex Telles; Kleber e Barcos.

Na maior parte dos jogos, contudo, a escalação contava com dois zagueiros e três volantes. Um deles, por vezes, dava lugar a Zé Roberto. Elano, com o passar do Brasileirão, foi ficando fora dos planos. Em agumas partidas, o chileno Vargas também era opção no ataque, no lugar de Kleber.

Convencionou-se que o Grêmio de 2013 era um time que jogava por uma única bola. Ou seja, tratava primeiro de se defender para, em uma escapada, marcar o gol que garantiria a vitória.

Acompanhe o Grêmio no Gremista ZH. Baixe o aplicativo:

App Store

Google Play

*ZHESPORTES


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.