Olho no adversário

Dublê de Maicon e equilíbrio no meio: como joga o Guaraní-PAR

Equipe paraguaia enfrenta o Grêmio nesta quinta-feira pela Libertadores

Por: Adriano de Carvalho
18/04/2017 - 18h02min | Atualizada em 18/04/2017 - 18h02min
Dublê de Maicon e equilíbrio no meio: como joga o Guaraní-PAR NORBERTO DUARTE/AFP
Palau (E) é a referência do meio-campo do Guaraní-PAR Foto: NORBERTO DUARTE / AFP  

O Guaraní-PAR já não tem o mesmo poderio ofensivo do time que foi semifinalista da Libertadores 2015. Mas será um adversário perigoso para o Grêmio nesta quinta-feira, no Estádio Defensores del Chaco, em Assunção. Vice-líder do Campeonato Paraguaio, a equipe treinada pelo argentino Daniel Garnero tem no equilíbrio do meio-campo a sua principal qualidade.

Duas das principais figuras do Guaraní são meias uruguaios. O experiente Palau, 31 anos, é quem faz o time jogar. Artilheiro neste ano, com cinco gols em 12 partidas, teve passagem discreta pelo Atlético-PR em 2013. Mas, na equipe paraguaia, tem o mesmo papel de Maicon no Grêmio.

Leia mais
Zamora e Iquique têm confronto direto em busca da salvação
Grêmio define logística de retorno do Paraguai após jogo com Guaraní
Renato fala sobre ausência de três titulares em treino: "Preservação"


Além de ser capitão e ter a mesma camisa 8 às costas, Palau é uma espécie de "carimbador" no meio-campo: todas as jogadas ofensivas passam por ele. A seu lado, Hernán Novick, 28 anos, distribui lançamentos com precisão. Os dois são responsáveis por criar jogadas aos atacantes Epifanio García e Néstor Camacho.

— O Palau é um jogador fundamental no meio-campo. E Novick requer atenção por seus ótimos passes. No ataque, Camacho é quem desequilibra — analisa o jornalista Gabriel Cazenave, do jornal paraguaio ABC Color.

A formação do Guaraní é o esquema 4-4-1-1. Com duas linhas de quatro jogadores, Daniel Garnero cobra compactação de seus comandados. Ex-meia que fez carreira no Independiente, da Argentina, o técnico de 48 anos também promove variações. Quando ataca, Palau e Novick se aproximam de García e Camacho na frente. Se o time é pressionado, De La Cruz recua para formar uma linha de cinco defensores.

— Esta rotação é uma característica que Garnero implantou no Guaraní — acrescenta o repórter Augustin Benitez, da rádio Uno, de Assunção.

O Guaraní também enfrenta uma maratona de jogos entre o Paraguaio e a Libertadores. Dia 12, bateu o Zamora-VEN por 3 a 1. Domingo, venceu por 2 a 1 o líder Libertad. Nesta quinta, encara o Grêmio. E dia 23, terá o Sol de América pela frente. Ao todo, quatro jogos em 12 dias. Por isso, Garnero poupou quase todos os titulares no domingo. Somente o goleiro Alfredo Aguilar, o lateral-direito Carlos Rolon e zagueiro Nery Bareiro enfrentaram o Libertad.

— Com este rodízio, Garnero terá um time menos desgastado contra o Grêmio — entende Benitez.

Atento ao rival, Renato Portaluppi diz ter visto os jogos dos paraguaios contra Zamora e Libertad. Também recebeu um dossiê do Guaraní de seus analistas do Centro Digital de Dados (CDD) e mostrou vídeos do adversário ao grupo antes do treino de ontem no CT. O treinador ainda fez um alerta:

— Não podemos entrar na catimba do adversário. O jogador brasileiro tem a cabeça um pouco fraca neste sentido. Não podemos perder ninguém por isso.

A formação do Guaraní-PAR:

                  A.Aguilar
 Rolon / Bareiro / Cabral / Baez
Cruz / Palau / J. Aguilar / Novick
                    García
                  Camacho

ZHESPORTES

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.