Confusão

Torcedor gremista diz ter sido agredido pela BM na Arena 

Vinicius Lima foi removido das arquibancadas após seguranças do estádio solicitarem a retirada de faixas no setor superior oeste, no jogo contra o Novo Hamburgo 

18/04/2017 - 19h59min | Atualizada em 18/04/2017 - 20h16min
Torcedor gremista diz ter sido agredido pela BM na Arena  Arquivo pessoal/
Foto: Arquivo pessoal  

O torcedor gremista Vinicius Mendes Lima, de 31 anos, registrou ocorrência na Polícia Civil em que afirma ter sido vítima de agressões de policiais militares na Arena, durante o jogo entre Grêmio e Novo Hamburgo, no último domingo. O comandante do BOE, major Claudio Feoli, afirma que não viu evidências de abuso da BM em vídeos do episódio que se espalharam nas redes sociais desde o final de semana.

A confusão começou quando seguranças da Arena foram ao setor superior oeste para solicitar que torcedores retirassem as faixas que estavam penduradas. Os torcedores questionaram o motivo da ação, argumentando que o Grêmio teria autorizado, ainda no ano passado, que as faixas permanecessem ali. Após os questionamentos, os seguranças teriam se retirado e retornado, logo depois, acompanhados da Brigada Militar.

Leia mais:
"No futebol, cochilou, vai pagar", diz Renato, ao cobrar mais atenção dos jogadores do Grêmio 
Grêmio não fará reconhecimento do palco do jogo contra o Guaraní-PAR
Dublê de Maicon e equilíbrio no meio: como joga o Guaraní-PAR

Em um dos vídeos publicados em redes sociais, que registraram o momento em que Vinicius foi retirado do jogo, é possível ver o torcedor filmando a ação da Brigada e dos seguranças. Em um dado momento, ouve-se uma voz que indica que Vinicius estava filmando, ao que os seguranças o imobilizam. Neste momento, Vinicius resiste à ação dos seguranças, que encontram dificuldade para retirá-lo.

— Eu só perguntava: o que eu fiz? O que eu fiz? — relatou o torcedor em contato com ZH.

Vinicius afirma que os policiais do BOE entraram em ação e o algemaram. A partir daí, o torcedor relata uma série de abusos e agressões.

— Eles foram me chutando escada abaixo. Depois, eles me pararam em um banheiro, esfregaram minha cara contra a parede e me deram chutes. Várias pessoas filmaram isso. Depois, fui arrastado com as algemas. No caminho, eles abriram minha boca com as mãos e colocaram gás de pimenta dentro da minha boca. Abriram meus olhos e colocaram dentro dos meus olhos e também dentro das orelhas. Apertaram meus testículos e me levantaram do chão, com a calça. Uma brigadiana, sei que é mulher pela voz, me deu uma cabeçada. Me colocaram em uma sala, botaram um papelão na minha barriga e nas costas e começaram a me chutar, pedindo a senha do meu celular — contou.

— Depois de tomar uns três ou quatro chutes fortes, eu falei a senha. Eles apagaram tudo — completou.

Depois dos supostos abusos, Vinicius foi encaminhado ao Jecrim, onde assinou termo circunstanciado.

Em contato por telefone com ZH, o major Claudio Feoli, comandante do Batalhão de Operações Especiais (BOE), destacou que, por conta do curto tempo entre o suposto uso do gás de pimenta e a apresentação do torcedor ao Jecrim, não haveria como ele comparecer à audiência sem demonstrar os efeitos da substância, como olhos lacrimejantes e vermelhos.

— Nas manifestações de 2013, se viu muito a questão do gás e por quanto tempo perdura o efeito. Em torno de 20 minutos. No mínimo, o olho vermelho. Vamos considerar esse mesmo período de tempo para ele ser apresentado a um juiz, na presença de um promotor e um defensor. O magistrado, o defensor e o promotor não constataram nada disso. Simplesmente se limitaram a fazer o registro de conduta incoveniente, que é uma infração prevista no Estatuto do Torcedor. Depois, apareceu o leão do Facebook. Quem acusa tem o ônus da prova — afirmou.

— A ocorrência nos foi apresentada em uma extrema normalidade. Isso tudo virou uma polêmica após as postagens dele. O vídeo que foi anexado mostra a Epavi (empresa que presta serviços de segurança na Arena) fazendo uma intervenção. É o que está registrado ali — completou.

Torcedor exibiu marcas no corpo Foto: Arquivo pessoal

Feoli ainda afirmou que, se não forem apresentadas provas do relato de Vinicius, orientará os policiais a registrarem ocorrência contra o torcedor:

— Se ele está alegando isso, deve aparecer um exame de lesões corporais, alguma filmagem que ele diz ter. Do contrário, vou orientar meus policiais para fazerem o devido registro contra ele e para procurarem seus direitos por dano moral.

Vinicius fez exame de corpo de delito logo após o ocorrido e afirma que o resultado deve sair até o final desta semana. O Grêmio e a Arena emitiram notas oficiais em que dizem que estão auxiliando na apuração dos fatos.

Notas oficiais

Arena

"Diante das notícias sobre os fatos ocorridos na cadeira superior da Arena, na última partida entre Grêmio e Novo Hamburgo, no dia 16 de abril, a administração informa que está apurando o ocorrido em colaboração com o Clube e os Órgãos Públicos da maneira mais célere possível.

A Arena do Grêmio reforça seu compromisso com a segurança dos seus torcedores e cumprimento das legislações vigentes, sempre visando a qualidade dos serviços prestados.

Administração Arena."

Grêmio

"O Grêmio FBPA vem a público se manifestar sobre incidente envolvendo um sócio do Clube, em área localizada nas cadeiras superiores, durante a partida entre Grêmio x Novo Hamburgo, ocorrida no último domingo, na Arena.

O Clube esclarece que está participando da apuração dos fatos, em busca da responsabilização necessária para que problemas futuros sejam evitados.

O Grêmio reitera o compromisso com o bem-estar e a segurança de seus torcedores, bem como o cumprimento de todas as normas de convivência vigentes no estádio."

*ZHESPORTES

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.