Dia do Fico

Confira como foi a madrugada que definiu a permanência de D'Ale no Inter

Procurador do atleta e presidente do Inter ficaram reunidos na sede do clube até à 1h

30/01/2012 | 07h10

A permanência de D'Alessandro ficou definida em reunião sigilosa que entrou a madrugada de domingo. No encontro, o presidente Giovanni Luigi e o agente do argentino, Matias Aldao, definiram que a transferência da China viraria um conto colorado de verão. D'Alessandro ganhou aumento salarial — os valores são mantidos em sigilo. Mas não só o lado financeiro pesou. Foram decisivas a identificação com o Inter e a torcida, que deu mostras de devoção ao jogador nos últimos dias.


O jogador seguirá com contrato até 2015. Aliás, o tempo de contrato foi um dos trunfos utilizados pelo Inter para convencê-lo a ficar. Conforme um conselheiro muito próximo à cúpula colorada, Luigi chegou a perguntar para o jogador:

— Jogando na China, em um futebol de nível técnico bem mais baixo do que o brasileiro, daqui a dois anos você não acha que pode ser um ex-atleta? — indagou.

D'Alessandro apenas ouviu. A estratégia de Luigi também teria enveredado pelo lado emocional do jogador. D'Alessandro é um sujeito extremamente família. O bem-estar da família em Porto Alegre estaria no centro de toda sua felicidade no Inter. Sem contar a proximidade de Buenos Aires. As visitas aos familiares estariam a apenas uma hora e meia de voo. Luigi usou o exemplo de Conca, milionário e solitário no chinês Guaghzhou.

— Viste como o Conca está infeliz lá na China? Liga para ele, que é seu patrício. Ele vai te falar como está se sentindo.

Luigi e D'Ale sentaram-se poucas vezes à mesa desde que a proposta do Shanghai Shenhua estremeceu o Beira-Rio, há 12 dias. O presidente tratou do assunto diretamente com o procurado Aldao. Na quinta-feira, os dois chegaram a um acordo. Deixaram pequenos ajustes para sexta. O dirigente ligou para amigos exultante.

Mas, ainda na manhã de sexta-feira, o acertou recuou. O Inter manteve posição firme. Avisou Aldao que o clube chegara ao limite. Era pegar ou largar. Menos de 12 horas depois, houve nova rodada de reunião. O acerto acabou alinhado outra vez.

D'Alessandro treinou sábado já sabendo do acerto. À noite, foi ao Beira-Rio para assistir ao 3 a 1 dos reservas contra o Veranópolis — um hábito quando está fora do time. Chegou sozinho. Passou no vestiário para desejar boa sorte aos companheiros. Segundo pessoas que estavam no local, estava exultante. Tanto que o zagueiro Bolívar, ao final do jogo, revelou confiança na permanência do argentino.

— Ele vai ficar, tenho convicção disso. Podem apostar — disse o capitão.

Depois da partida no Beira-Rio, Aldao e Luigi voltaram a se encontrar. Perto da 1h de ontem, o Inter iria dormir certo de que seu craque estava garantido para a Libertadores e o resto da temporada.

O que diz o presidente Giovanni Luigi
Em entrevista a ZH, domingo à tarde, o presidente Giovanni Luigi exaltou a permanência do seu camisa 10 para o restante da temporada. Valorizou a atuação da torcida no processo de renovação com D'Alessandro e a postura do investidor Delcir Sonda, sócio do clube nos direitos econômicos do jogador. Confira o que disse Luigi:

Sobre o acordo com D'Ale
"É uma vitória de um clube grande, que pensa grande e quer se manter no topo, prosseguir neste caminho de vitórias."

Razões para o acerto
"Ajudaram muito a vontade do jogador de permanecer no clube e o desejo da família de ficar em Porto Alegre. Nem perto o Inter conseguiria chegar ao que ofereciam os chineses do Shanghai Shenhua (R$ 1 milhão mensais por dois anos de contrato)."

Aumento salarial
"O acerto com o jogador não fugiu dos padrões financeiros do clube. Não fizemos loucura para manter o jogador. Ajudou muito a relação dele com o clube e a adaptação e o gosto por Porto Alegre."

A pressão de Sonda
"O investidor foi fundamental nesse processo. Delcir Sonda poderia ter forçado a venda, mas, depois do Dorival, foi o primeiro a saber da proposta. Ele me disse: 'Vamos lutar para mantê-lo, não se preocupe comigo.'"

Tempo de contrato
"D'Alessandro não teve o contrato estendido. Seu vínculo é o mesmo, até 2015. Aliás, isso foi um trunfo que usei. Alertei-o de que na China teria só dois anos de contrato. Aqui, vai até 2015."

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.