Objetivo da temporada

Após boa atuação contra o Coritiba, Dagoberto avisa: "O Brasileiro é difícil, mas estamos preparados"

Bicampeão pelo São Paulo, atacante tem experiência de sobra quanto o assunto é pontos corridos

Atualizada em 21/05/2012 | 19h3221/05/2012 | 18h55
Após boa atuação contra o Coritiba, Dagoberto avisa: "O Brasileiro é difícil, mas estamos preparados" Guilherme Becker/Agência RBS
Atacante colorado concedeu entrevista coletiva, na tarde desta segund-feira, no Beira-Rio Foto: Guilherme Becker / Agência RBS

Se há um jogador no grupo do Inter que entende de pontos corridos, este jogador é Dagoberto. Destaque na vitória sobre o Coritiba na estreia colorada na competição, nesse domingo, no Beira-Rio, o atacante reforça o discurso constante direcionado à regularidade. E também acredita que o elenco do Inter está, de fato, preparado para mais 37 rounds até dezembro.

— Para chegar num título Brasileiro há muitas dificuldades. São seis meses de campeonato. Em casa, teremos jogos complicadíssimos. Fora, mais ainda. É uma regularidade que tem que ser buscada dentro da competição para almejar algo grande lá na frente. No Gauchão, tivemos dificuldades para ficar com o título. E o Brasileiro é muito mais difícil, mas estamos preparados. É jogo a jogo — declarou, em entrevista no Estádio Beira-Rio no final da tarde desta segunda-feira.

Em seguida, Dagoberto disse que conceituou a estreia como "muito boa". Viu a equipe com padrão de jogo e dominante durante toda a partida:

— Merecemos o resultado. No meu ponto de vista, fizemos uma boa partida.

Com dois títulos brasileiros no currículo (2007 e 2008, com o São Paulo), ele crê que o Inter precisa ser inteligente para chegar ao título. Reiterou que a caminhada é longa e difícil, mas que para grandes conquistas é preciso sacrifícios. Comentou que o elenco do Inter é suficientemente forte e que está no caminho certo.

— Cheguei em um grupo muito vencedor, que conquistou objetivos grandes, de diferentes formas, como eu também conquistei. É um grupo muito vitorioso e que tem objetivo. Há longa data o Inter não conquista o Brasileiro — complementou.

Confira os principais momentos da entrevista de Dagoberto:

O gol contra o Coritiba

"O gol do Damião foi uma jogada individual muito bonita, teve a qualidade dele, com força e técnica. O meu foi uma tabela. Sempre converso com o Dátolo, com o Nei, com o Fabrício, para todo mundo chegar. Este é um ponto forte do nosso time. Quando colocamos isso em prática, os lances se tornam mais fáceis. Pela sequência, foi muito bonito".

Meias com liberdade

"Depende de nós (meias) deixarmos ele (Damião) em condições de finalizar e ter chances claras de gol. São jogadores que criam bastante e que têm qualidade. A gente conversa bastante para levar a bola para ele. Felizmente, ontem, tivemos sucesso. Houve jogos em que não conseguimos esse êxito. Felizmente, na estreia do Brasileirão, deu certo. Contra o Caxias, no segundo tempo, também criamos muito. A qualidade do nosso elenco é muito forte. O D'Alessandro é um jogador que vai nos ajudar com qualidade e técnica muito grandes".

Ataque sem Damião

"Era uma boa se o Dorival estivesse aqui para responder essa. Ano passado, joguei boa parte nessa função (primeiro atacante) também. Não tem comparação com o Damião. Ele é um jogador único e está mostrando a cada dia o talento e o grande jogador que é. Se depender de nós, vamos fazer de tudo para ajudar".

Meta de gols

"Seria burrice apostar com o Damião quem faz mais gols. Ele faz gol todo jogo. Eu tenho meta de títulos. É isso que fica marcado na história de todo jogador, como no domingo retrasado (conquista do Gauchão). Elenco, temos. Time, temos. E com o torcedor nos apoiando, tenho certeza de que o objetivo traçado é esse: o título".

Desfalcado contra o Flamengo

"Os jogadores (do Flamengo) vêm de uma pressão muito grande, mas a gente não tem nada a ver com isso. Temos que fazer, muito bem feito, o trabalho que vem sendo realizado. Será um grande jogo. São duas grandes equipes. Que possamos continuar nossa luta aos nossos objetivos futuros".

Só o Brasileiro, sem Libertadores

"O foco fica bem traçado. Mas se tem Libertadores e Copa do Brasil, é bom também. São campeonatos que exigem que o clube segure ou poupe alguns jogadores, às vezes, para jogos mais importantes. Nosso jogo é sempre importante, a cada final de semana, principalmente neste início de campeonato. Estamos focados, mas eu vejo que não muda muita coisa. O Santos foi com a equipe reserva e empatou com o Bahia. Time grande sempre tem elenco muito forte".

Início de temporada difícil

"No jogo contra o Once Caldas, tive um entorse no tornozelo. Parado, o jogador perde parte da pré-temporada, a parte física, é difícil. O futebol está competitivo nos âmbitos nacional e regional. Quando você não está com o melhor condicionamento físico, tudo se torna ainda mais difícil. Tive ainda problemas musculares. Isso é normal. Acontece na carreira de qualquer jogador. O futebol exige muito de cada um. As coisas estão acontecendo de forma natural agora porque terminou esse tempo de ficar fora. Quando há ritmo e sequência, as coisas tendem a acontecer".




VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.